Comércio

CNC visita experiências do Consórcio Pesquisa Café e se atualiza sobre realizações do Plano Agro+

Na sequência, os representantes do Conselho acompanharam os pesquisadores até o Centro de Pesquisa Agropecuária dos Cerrados (CPAC) da Embrapa, onde puderam conhecer os trabalhos realizados.

 

postado em 20/08/2017 | Há 3 meses

BALANÇO SEMANAL — 14 a 18/08/2017

FOCO EM PESQUISA — O Conselho Diretor do Conselho Nacional do Café realizou reunião ordinária, no dia 11 de agosto, na sede da Embrapa Café, que contou com a participação, entre outros, do Secretário Executivo, Eumar Novacki, e do diretor do Departamento de Café, Cana de Açúcar e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Silvio Farnese, do presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Maurício Antônio Lopes, além do diretor geral e do gerente adjunto técnico da Embrapa Café, Gabriel Bartholo e Antônio Guerra, respectivamente.
 
A escolha do local da audiência e a presença dos representantes do Governo e da Embrapa se deram para que os conselheiros diretores do CNC recebessem uma atualização dos trabalhos de pesquisa que vêm sendo desenvolvidos pelo Consórcio Pesquisa Café no País. Na sequência, os representantes do Conselho acompanharam os pesquisadores até o Centro de Pesquisa Agropecuária dos Cerrados (CPAC) da Embrapa, onde puderam conhecer os trabalhos realizados.

O presidente executivo do CNC, deputado Silas Brasileiro, destacou o avanço do conilon no Espírito Santo e em Rondônia e enalteceu a importância dos trabalhos de pesquisa para o desenvolvimento do híbrido com a variedade arábica, possibilitando um café mais resistente a adversidades climáticas, o que entende como fundamental para garantirmos o abastecimento mundial de café, como o Brasil tem feito ao longo dos anos. Confira o vídeo.
 
HOMENAGEM A NOVACKI

Em função da abertura e da pronta disposição do Secretário Executivo do Mapa em atender aos pleitos apresentados pelo setor da produção de café, o CNC prestou uma homenagem a Eumar Novacki. O presidente executivo do Conselho explica que o agraciamento se deu pela transmissão do sentimento de segurança e da certeza de que se pode contar com uma parceria efetiva dentro do Ministério da Agricultura, fato que, aliado à proatividade demonstrada em dar encaminhamentos e soluções às demandas dos produtores, desencadeou o desejo de congratular uma liderança pública que desempenha com eficiência, altruísmo e dedicação a sua função.
 
PLANO AGRO+ — O Secretário Executivo do Mapa também nos atualizou sobre os resultados do Plano Agro+, do qual o CNC é uma das 88 entidades que contribuíram para a construção dos objetivos. A iniciativa trouxe, de prontidão, a solução para 69 importantes demandas de diferentes segmentos do setor agrícola brasileiro e, com forte viés de desburocratização, permite a atuação na facilitação do comércio exterior; em transparência e parcerias; e na melhoria do processo regulatório e de normas técnicas.
 
Há um ano, desde o seu lançamento, o Plano Agro+ promoveu, atendendo às demandas do setor, aproximadamente 750 entregas à sociedade brasileira através da publicação de normas modernas ou da revogação de atos normativos ultrapassados, mudanças de processos administrativos internos, sofisticação de sistemas informatizados, que podem ser conferidos no site do Mapa (http://www.agricultura.gov.br/agro/medidas-agromais).
 
Também entre as iniciativas do plano, recentemente o Mapa lançou o Programa de Conformidade do Agronegócio Brasileiro, o Agro+ Integridade. Trata-se de um Compliance que busca aprimorar os mecanismos de prevenção, detecção e remediação de fraudes, irregularidades e desvios de conduta no âmbito interno do Ministério e das empresas e entidades que mantém interfaces com a Pasta, cujo objetivo é promover um “pacto” pela integridade do setor agropecuário brasileiro.
 
O CNC entende que a iniciativa tem se mostrado crucial, com seu foco nos valores éticos das instituições, obtendo a adesão voluntária e massiva de todas entidades protagonistas do agronegócio brasileiro, razão que acreditamos que motivará o Mapa a continuar conclamando todos a se unirem em prol de um setor mais responsável e transparente, fatores fundamentais para a abertura de novos mercados e a ampliação nos países onde o agro brasileiro já está consolidado.
 
MERCADO — Os contratos futuros do café despencaram no mercado internacional nesta semana, pressionados pela valorização do dólar. Segundo analistas, nem mesmo o rompimento de importantes médias-móveis atraiu os fundos para realizarem aquisições, pois parecem demonstrar que o custo de carregar posições compradas não faz sentido econômico em meio à possibilidade de oferta elevada em 2018.
 
Os quatro pregões na Bolsa de Nova York tiveram fechamentos negativos nesta semana, à medida que a ocorrência de chuvas em áreas produtoras no Brasil e avaliações de exportadores de que a safra nacional pode surpreender – fato que o CNC discorda devido à precocidade para se prever algo para 2018 sem mesmo ter iniciado o período de floradas e ao comportamento do clima nesse estágio – levaram investidores a continuar se desfazendo de posições.
 
Na ICE Futures US, o vencimento setembro do Contrato C foi cotado, na quinta-feira, a US$ 1,2845 por libra-peso, com queda de 1.185 pontos em relação ao fechamento da semana passada. Na ICE Futures Europe, o vencimento setembro do contrato futuro do robusta fechou a US$ 2.062 por tonelada, acumulando perdas de US$ 77.
 
A Climatempo informa que novas áreas de instabilidade se formam a partir de sábado, 19 de agosto, sobre a maior parte do Paraná, provocando precipitações, com o acumulado podendo chegar a 70 milímetros no noroeste e no extremo leste do Estado. O serviço de meteorologia também alerta que permanecem as condições de chuva para oeste, centro-sul e leste de São Paulo, extremo sul de Minas Gerais e sul do Rio de Janeiro, com os volumes variando entre 30mm e 70mm nessas localidades.
 
O dólar comercial, apesar da preocupação com o cenário político nos Estados Unidos e o atentado terrorista em Barcelona, na Espanha, que levou investidores a buscarem ativos mais seguros, manteve a tendência de alta frente ao real. Ontem, a divisa norte-americana foi cotada a R$ 3,1785, ainda com avanço de 0,1% ante desempenho da sexta-feira anterior. Em relação ao Brasil, os investidores demonstram cautela frente à deterioração fiscal e às incertezas sobre a aprovação da reforma da Previdência no Congresso.
 
No mercado doméstico, os preços acompanharam o desempenho negativo das bolsas internacionais, desestimulando ainda mais as negociações, que permanecem travadas. Ontem, os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e robusta situaram-se em R$ 450,61/saca e a R$ 407,15/saca, respectivamente, com variações de -4,9% e -0,4% na comparação com o comportamento da semana antecedente.

Tags: Café CNC
Fonte: CNC

 

Veja tambÉm: