Mais Café

Exposição faz homenagem ao café na França

Nasceu no século XIII nas montanhas da Etiópia, não demorou a passar por Egito e Império Otomano e, daí, a partir do século XVIII, para o resto do mundo.

 

postado em 30/11/2016 | Há 1 semana

Por Agencia EFE

Da África Central aos países árabes, da Europa à América Latina, passando pela Ásia, o café tem espaço privilegiado no mundo há mais de três séculos, um passeio pela história que uma exposição em Marselha tenta revelar.

Nasceu no século XIII nas montanhas da Etiópia, na região de Kaffa - que lhe deu nome -, não demorou a passar por Egito e Império Otomano e, daí, a partir do século XVIII, para o resto dos continentes.

O que tem esta bebida, de semente tropical e gosto meio amargo, que monopoliza paladares e perfuma os restaurantes?

É exatamente o que procura responder a exposição "Café In" no Museu das Civilizações da Europa e do Mediterrâneo (MuCEM) de Marselha, uma homenagem a este grão que ficará aberta ao público até o dia 23 de janeiro de 2017.

Escritor e jornalista, Jean-Michel Djian, curador geral da "Café In", foi abordado pela direção do MuCEM para que "imaginasse uma exposição". "Sou um apaixonado pelo café e conheço bem a Etiópia, a pátria do café", contou Djian à Agência Efe.

O resultado: 400 obras de fotógrafos, artistas plásticos, intelectuais, antropólogos, músicos e escritores que, à sua maneira, abordam o tema do café como uma tendência em crescimento.

A exposição forma uma compilação na qual estão incluídas fotografias do brasileiro Sebastião Salgado (1944-presente), textos do escritor francês Honoré Balzac (1799-1850), partituras do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750), uma escultura do artista cubano Roberto Fabelo (1950-presente), entre outros.

Nela percorre-se a trajetória do café, desde suas origens africanas, passando por seu legado colonial na América Latina, até a enorme produção e consumo atual.

O trabalho não deixa de fora as propriedades medicinais atribuídas à bebida e até a cultura da "cafeomancia", a arte de prever o futuro através da borra do café.

"Muito se bebe, mas pouco se conhece o café". Assim confirmou Djian ao ressaltar: "Idolatramos o café, bebemos 2,6 bilhões de xícaras de café por ano e não sabemos por que bebemos".

Com seu aroma reconfortante e seus efeitos energéticos, são consumidas sete milhões de toneladas de café anualmente no mundo.

Um fenômeno explicado pelos nove quilos de café consumidos por ano, em média, pelos habitantes de países como Finlândia, Dinamarca e Noruega, principais consumidores do produto no mundo.

Sobre a produção comercial de café, segundo a exposição, o peso recai sobre Etiópia, Indonésia e Colômbia, seguidos de Vietnã e Brasil. Enquanto isso, países como Peru e México se destacam no cultivo do café ecológico.

Se ficaram dúvidas, os números: o café, em suas duas espécies distintas - arábica e robusta - constitui, em nível mundial, a segunda produção em termos de troca comercial depois do petróleo, diz Djian, com uma tendência anual em alta de 2,5%.

Apesar de terem sido ditas há séculos, as palavras do militar e governante francês Napoleão Bonaparte (1769-1821) continuam tão válidas como nunca: "O café forte me ressuscita".

 

Veja tambÉm: