Mercado

Safra de café do Brasil 11/12 perto de 45,5 mi sacas, diz Cecafé

 

postado em 27/05/2011 | Há 6 anos

O Conselho dos Exportadores de café do Brasil (Cecafé) avalia que a nova safra de café do País (2011/12) deverá superar as expectativas atuais em cerca de até 2 milhões de sacas, após produtores terem contado com boas condições climáticas e também terem cuidado melhor de seus cafezais em meio a preços altos.

"Fala-se em 5% a 6% de crescimento na safra (em relação à expectativa atual), pelo aumento da produtividade", afirmou à Reuters o diretor-geral do Cecafé, Guilherme Braga, em um intervalo do seminário Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012, promovido pela BM&FBovespa e pelo Ministério da Agricultura.

O bom desempenho da safra deve trazer algum alívio para o setor, que terá ao final da temporada 2010/11 (julho-junho) um dos est oques de passagem "mais baixos" já registrados, em meio a uma situação global de baixa disponibilidade de café, disse Braga.

Segundo ele, a colheita 11/12 já iniciada mostra que os grãos estão mais graúdos, o que impacta no rendimento por hectare. Além disso, disse ele, a safra está mais "homogênea" que a anterior e a qualidade está boa. Essas boas condições deverão elevar a safra entre 1,5 e 2 milhões de sacas, na comparação com os números oficialmente estimados.

A produção 11/12 está estimada pelo Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em 43,5 milhões de sacas - volume que já se configura como o maior já registrado para um ano de baixa no ciclo bianual do arábica. Na temporada passada, ano de alta do ciclo do arábica, o Brasil colheu 48 milhões de sacas, de acordo com a Conab.

"A colheita está se desenvolvendo em boas condições, e foi uma safra mais bem cuidada pelos bons preços, o que estimula os produtores a fazerem u ma colheita mais bem cuidada", disse. Os preços do café oscilaram recentemente nos maiores patamares em 34 anos na bolsa de Nova York, em meio a baixos estoques globais de grãos de alta qualidade. No Brasil, maior produtor mundial, a situação não é diferente.

Segundo o diretor do Cecafé, os estoques de passagem da temporada 2010/11 (base em 31 de março) - antes do início da colheita 2011/12 da variedade robusta no Espírito Santo - somaram cerca de 6 a 7 milhões de sacas, provavelmente os mais baixos da história. "É um dos mais baixos, se não o mais baixo," avaliou ele, lembrando que esse volume está nas mãos de produtores, cooperativas, comerciantes e exportadores.

Exportações
Diante de baixos estoques de passagem para a nova safra, as exportações até a chegada ao mercado do café da nova safra vão sofrer. Ele estima uma redução nos embarques em maio para cerca de 2,2 milhões de sacas (incluindo café verde e solúvel). "Em abril, as exportações (totais) foram de 2,7 milhões de sacas, em maio não vai passar de 2,2 milhões e em junho vai ficar bem próximo de 2 milhões", afirmou ele.

A queda nas exportações ocorre após o Brasil ter exportado grandes volumes ao longo da temporada 2010/11, que deve fechar em junho com 34 milhões de sacas (verde e solúvel). Considerando apenas café verde, os embarques em 10/11 deverão totalizar cerca de 31 milhões de sacas, um volume maior que o registrado no ano passado, afirmou Braga, sem dar comparações. Os estoques também se apertaram devido ao forte consumo interno, estimado por Braga em cerca de 20 milhões de sacas.

 

Veja tambÉm: