Mercado

N.Y. finalizou as operações registrando alta de +3,35 pontos na posição maio

 

postado em 30/03/2011 | Há 7 anos

Infocafé de 30/03/11.    

 
MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$ 540,00 R$ 520,00  
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 540,00 R$ 520,00 Maio/2011 264,80 +3,35
Alta Paulista/Paranaense R$ 530,00 R$ 510,00 Julho/2011 267,40 +3,35
Cerrado R$ 545,00 R$ 525,00 Setembro/2011 269,70 +3,40
Bahiano R$ 530,00 R$ 510,00  
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Cons Inter.600def. Duro R$ 315,00 R$ 295,00 Maio/2011 343,90 +3,25
Cons Inter. 8cob. Duro R$ 335,00 R$ 315,00 Setembro/2011 331,95 +3,30
Dólar Comercial: R$ 1,6290 Dezembro/2011 329,25 +2,65

N.Y. finalizou as operações registrando alta de +3,35 pontos na posição maio, impulsionada por compras de fundos diante da forte queda do dólar em relação ao real.

O dólar fechou em baixa de 1,39%, cotado a R$1,6290, menor valor desde 27 de agosto de 2008 (a R$ 1,622). Segundo operadores, o principal fator que influenciou na queda da moeda americana hoje foi a antecipação da disputa em torno da formação da taxa Ptax de fim de mês, que será formada amanhã. Diante deste movimento técnico, houve  forte aumento do volume de negócios à vista e no futuro e também atraiu quase toda a atenção do mercado, que praticamente deixou para segundo plano os leilões do Banco Central e o comportamento externo da moeda norte-americana.
Investidores que estavam vendidos em dólar à vista (principalmente os bancos) e no mercado futuro, porque apostaram na queda da moeda norte-americana, foram bem-sucedidos hoje no objetivo de antecipar a pressão de baixa sobre o dólar, que chegou a uma mínima no dia de R$ 1,628 (-1,45%). O objetivo é o enfraquecimento da taxa Ptax de amanhã, que será usada na liquidação do vencimento de dólar futuro (abril de 2011) e para os ajustes dos cerca de US$ 800 milhões em swap reverso - ambos estarão vencendo na próxima sexta-feira (1º de abril).
Banco Central fez um leilão de até 3 mil contratos de swap reverso, com três vencimentos, equivalentes a cerca de US$ 1,5 bilhão, mas vendeu somente 5.850 desses contratos ou US$ 289,2 milhões. Simultaneamente a esta operação, fez um leilão de compra à vista, no qual fixou a taxa de corte em R$ 1,636. No meio da tarde, o BC fez o segundo leilão de compra à vista, cuja taxa de corte foi de R$ 1,632. Essas intervenções, contudo, tiveram efeito limitado sobre a formação de preço e o dólar apenas desacelerou levemente as perdas.
 
O governo vai realizar no dia 05 de abril, terça-feira, dois leilões de café de estoques oficiais. Os dois avisos de venda de café, 99 e 100, da Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), ofertam um total de 3.265.320 quilos (54.422 sacas). O primeiro leilão inicia às 09 horas, com o segundo ocorrendo na sequência.
O primeiro aviso, de número 99, oferta 3.224.616 quilos, ou 53.743 sacas de 60 quilos, da safra 2002/03. O café está depositado em Minas Gerais, Paraná e São Paulo, dividido em 105 lotes. O segundo aviso, de número 100, oferta 40.704 quilos, ou 678,4 sacas, de produto depositado em Minas Gerais, dividido em 12 lotes.
Os leilões serão realizados na modalidade viva-voz, por meio do Sistema Eletrônico de Comercialização da Conab (Companhia Nacional do Abastecimento) -Brasília/DF. Os preços de abertura serão divulgados até dois dias antes do leilão.
 
O governador do Estado de Minas Gerais, Antonio Anastásia, disse que o Fundo Estadual do Café passa a funcionar a partir de janeiro do ano que vem. “O Fundo Estadual do Café será concebido e colocado no orçamento apresentado à Assembleia em 2011, para vigorar já em 2012, conforme nos comprometemos”, disse o governador, em entrevista à imprensa na inauguração do Complexo Industrial do Japy, da Cooxupé, em Guaxupé. “O projeto de criação do Fundo Estadual do Café vai ser apresentado à Assembleia no mês de setembro e vigorará a partir de primeiro de janeiro do ano que vem para o orçamento do próximo ano”, explicou Anastasia. A criação do fundo é um compromisso de campanha do governador Antonio Anastasia e tem como objetivo principal auxiliar na formatação de po líticas efetivas para o setor, trabalhando junto ao governo federal e com as lideranças. O Fundo Estadual do Café contribuirá para garantir a renda dos cafeicultores, evitando as perdas provocadas pelo excesso de oferta e queda de preço do produto. “Já temos uma política muito positiva de cooperação, de assistência técnica, de produtividade e excelência do café em Minas. Vamos criar um Projeto Estruturador, vinculado ao Governador do Estado, e o Fundo Estadual do Café, com recursos do Tesouro de Minas, exatamente com este objetivo de, junto com as lideranças da cafeicultura, identificarmos onde estão as prioridades para alocarmos esses recursos. Ora para seguro, ora para garantia, e para diminuir a questão das margens”, explicou o governador. Atualmente está sendo formado o comitê setorial que irá servir de base para a criação do fundo. O novo órgão dará suporte às decisões do governo na área de café. Para compor o comitê, que será presidido pelo governador e serão chamados o vice-governador, secretários, deputados e representantes de setores da sociedade. Uma das primeiras tarefas do comitê será a criação do fundo. Ainda serão criados os comitês para o leite e o sindical. As informações são do Portal do Conselho Nacional do Café (CNC).

 

Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini
 

Veja tambÉm: