Mais Café

Suplicy: reajuste do café não deve reduzir consumo

 

postado em 26/03/2011 | Há 7 anos

  
 
Suplicy: reajuste do café não deve reduzir consumo
CaféPoint
25/03/2011
Natália Fernandes
 
Em 2010 a valorização do café arábica foi de 36,82%, e a do conilon de 10,51%. No mesmo período o café para o consumidor aumentou apenas 1,14%.
 
Com o mercado tão firme e tendência de que a matéria-prima se valorize ainda mais ou se mantenha nos atuais patamares, começa haver maior necessidade de que a alta seja repassada ao consumidor. Isso já começou a ser feito como o caso da Sara Lee, que reajustou o preço do Café Pilão em +15%, e da Starbucks e J.M. Smucker. A J.M. Smucker que aumentou em 10% os preços dos cafés Folgers e Dunkin Donuts.
 
Agora, outras torrefações já informam que vão reajustar o preço do café de 25% a 30%. Nas padarias, o cafezinho deve subir 40% nos próximos dias.
 
Marco Suplicy, proprietário da Suplicy Cafés Especiais, comenta que já estão repassando a alta no mercado interno. Segundo ele, o preço do café de qualdiade subiu muito mais rápido que o consumo e para quem trabalha com esse tipo de café o efeito foi imediato.
 
Uma alternativa para garantir a rentabilidade do estabelecimento e não precisar ficar reajustando o preço a todo momento são os negócios futuros. Marco Suplicy já fechou contratos para compra futura até outubro, o que possibilita a garantia de preço do atacado e varejo até esta época, independente do preço que a saca estiver.
 
Desde 2010 os preços do café começaram a subir em função da escasses de oferta e demanda aquecida. Para Marcos a situação de preços altos deve durar por mais uns 2 anos, visto que a safra brasileira está pra ser colhida, entrando café de qualidade no mercado, ams ao mesmo tempo a demanda também será maior, ou seja, o problema de oferta restrita não deve ser solucionado no curto e médio prazo.
 
No caso de suas cafeterias, ele comenta que na xícara o aumento de preço é mais diluído e não pesa tanto para o consumidor. Além disso, ele não vê perspectiva de diminuição de consumo em função dos reajustes de preços para os cafés de qualidade. "Todo ano fazemos reajustes no final do ano e o consumidor entende a situação do mercado e continua tomando café."
 
Marcos acredita que o consumo vai continuar crescendo bem acima da média do mercado, e não diminuir.
 

Veja tambÉm: