Mercado

COTAÇÃO DO CAFÉ - Mercado cafeeiro finalizou as operações nesta quinta-feira com desvalorização

 

postado em 25/03/2011 | Há 6 anos

Infocafé de 24/03/11.    

 
MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$ 540,00 R$ 520,00  
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 540,00 R$ 520,00 Maio/2011 265,80 -2,80
Alta Paulista/Paranaense R$ 530,00 R$ 510,00 Julho/2011 268,25 -2,70
Cerrado R$ 545,00 R$ 525,00 Setembro/2011 270,30 -2,60
Bahiano R$ 530,00 R$ 510,00  
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Cons Inter.600def. Duro R$ 320,00 R$ 300,00 Maio/2011 344,40 -4,75
Cons Inter. 8cob. Duro R$ 340,00 R$ 320,00 Setembro/2011 331,90 -4,50
Dólar Comercial: R$ 1,6570 Dezembro/2011 329,65 -5,20


O mercado cafeeiro finalizou as operações nesta quinta-feira com desvalorização. Em N.Y. a posição maio atingiu mínima de -8,05 pontos, porém recuperou boa parte das perdas finalizando com -2,80. Vendas de fundos e especuladores pressionaram as cotações, compras de indústrias limitaram as perdas. 

Pela quinta sessão consecutiva, o dólar comercial fechou em baixa, hoje a R$ 1,6570, queda de 0,18%. O mercado doméstico de câmbio operou hoje em linha com a queda do dólar no exterior, principalmente em relação ao euro, que foi amparada pelo maior apetite por risco nos mercados. Os investidores deixaram de lado o rebaixamento do rating de Portugal pela agência de classificação de risco Fitch, uma vez que estão atentos à reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas, onde as autoridades discutem até amanhã soluções para os problemas fiscais da zona do euro. Além disso, não foi descartada a possibilidade de um aumento dos juros pelo Banco Central Europeu (BCE) em sua reunião no início de abril, a fim de conter a inflação, o que ajuda a amparar o euro. No Brasil, o fluxo cambial foi pequeno e positivo, e persistem as expectativas de anúncio de me didas cambiais, o que ajuda a conter o declínio da moeda. No entanto, para o economista do banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, o governo tende a esperar as divulgações na próxima semana do Relatório Trimestral de Inflação, na quarta-feira, e dos dados sobre crédito em fevereiro no País, na quinta-feira, para avaliar as repercussões desses números e só depois deverá anunciar novidades, o que poderia ocorrer antes da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, nos dias 19 e 20 de abril. Para ele, o enquadramento das instituições financeiras ao compulsório sobre posições vendidas em dólar já foi praticamente concluído. De todo modo, esta seria também, segundo ele, mais uma razão para ainda não terem sido anunciadas medidas ca mbiais. Pelo sétimo dia útil consecutivo, o BC fez somente um leilão de compra  sessão, à tarde, e fixou a taxa de corte em R$ 1,6580.


O consumo per capita de café torrado no Brasil atingiu marca histórica e quebrou o recorde registrado há 45 anos. Em 2010, o número foi de 4,81 kg por habitante. O volume supera os 4,72 kg registrados em 1965 pelo extinto Instituto Brasileiro do Café (IBC), até então, o maior índice. O aumento no consumo individual fez com que a demanda total de café no Brasil chegasse a 19,1 milhões de sacas. Em 2010, o consumo per capita foi 3,5% maior que o registrado em 2009, quando o número chegou a 4,65 kg. O consumo de 4,81 kg, registrado em 2010, equivale a quase 81 litros de café por pessoa por ano. Com isso, o Brasil se aproxima da Alemanha, onde o consumo é de 5,86 kg por habitante/ano. O país já supera os índices da Itália e França, grandes consumidores de café. Os campeões de consumo, entretanto, ainda são os países n&oacu te;rdicos - Finlândia, Noruega, Dinamarca - com volume próximo dos 13 kg por pessoa/ano. Esse resultado faz parte da avaliação anual realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), com o estudo Indicadores da Indústria de Café no Brasil/2010 - Desempenho da Produção e Consumo Interno, elaborado pela área de Pesquisas da entidade e que analisa dados do setor no período compreendido entre novembro de 2009 a outubro de 2010.


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento vai promover a marca Cafés do Brasil durante a 23ª Feira da Associação Americana de Cafés Especiais (SCAA), em Houston (Texas), no período de 28 de abril a 1° de maio.Na feira, os produtores de café poderão entrar em contato e realizar negócios com potenciais compradores. A Feira da SCAA, em Houston, é um dos mais importantes eventos mundiais do setor. A ideia é dar informações importantes ao público consumidor sobre as características de produção do café no Brasil e o desenvolvimento da cultura exportadora no mercado internacional. Em 2010, cerca de três milhões de sacas de café foram produzidas no país, de acordo com os procedimentos e padrões ambientais e sociais estabelecidos pelas organizações certificadoras. Entre as a&cc edil;ões de promoção do café brasileiro está um site na internet, disponível no endereço eletrônico 
http://www.cafesdobrasil.com.br/ . Outras ações de comunicação digital para reforçar a marca cafés do Brasil também serão apresentadas nas próximas semanas. Na página os internautas terão informações, nos idiomas português, inglês e espanhol, sobre produção e área plantada. O evento a ser realizado nos Estados Unidos, bem como curiosidades e o rumo das pesquisas nacionais sobre o setor também serão destaque. Desde 1988, a Associação Americana de Cafés Especiais (SCAA) promove o maior evento de cafés especiais do mundo. A cada ano, é escolhida uma nova cidade americana. O evento tem a participação de expositores de vários países, além de produtores, exportadores, importadores, varejistas, empresários e baristas. Em 2011, a expectativa é que participem da feira cerca de 10 mil pessoas. As informações são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


 

Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini
 

Veja tambÉm: