Produção

10º Prêmio Cafuso/UCC revela os campeões do café do ES

 

postado em 28/11/2010 | Há 6 anos

Hilda Stein Krokling, do município de Marechal Floriano, é a vencedora do 10º Prêmio Cafuso/UCC para os Cafés das Montanhas do Espírito Santo. A amostra da produtora, de 83 anos, foi selecionada entre as 560 inscritas na disputa por cafeicultores de 18 municípios capixabas em 2010. O segundo lugar foi para a produtora Renata Vargas de Souza, de Conceição do Castelo. A terceira colocação ficou com cafeicultor João Manegoni, de Venda Nova do Imigrante.

Participaram da solenidade de premiação, em Venda Nova do Imigrante, autoridades do Espírito Santo, entre as quais o governador Paulo Hartung e o governador eleito Renato Casagrande, além de empresários, como o presidente da Realcafé, Sérgio Tristão e o diretor de compras no Brasil, Shota Takemoto da UCC.

Hartung parabenizou os produtores rurais pelo constante investimento na qualidade do café nos últimos e ressaltou que a mudança de postura promove o desenvolvimento da economia do Estado, além de proporcionar maior renda ao trabalhador do campo. “É fundamental diversificar a atividade agrícola. Isso garante renda o ano todo, independente das condições ambientais. A preservação dos recursos naturais, especialmente, dos recursos hídricos durante a produção também garantirá a continuidade da cafeicultura do Estado. Estamos no caminho certo”, destacou. O senador Renato Casagrande, governador eleito, assegurou que dará continuidade aos investimentos visando a promover crescimento ainda maior do setor agrícola capixaba.
O presidente da Realcafé, Sérgio Tristão, que patrocina o evento desde o primeiro ano, afirmou estar satisfeito por constatar o aprimoramento da cafeicultura do Estado, especialmente no ano em que comemora 75 anos das Empresas inauguradas por seu avô, José Ribeiro Tristão. Consolidadas como um dos maiores e mais tradicionais grupos nacionais do setor de café, as Empresas Tristão mantém a postura de incentivo à melhoria da qualidade da produção, apoiando concursos de qualidade. O grupo também realiza palestras e outras ações visando a conscientizar e a qualificar os produtores de café do Estado.

\"Ao buscar a excelência e implantar melhorias nos procedimentos, o produtor agrega mais valor ao seu café. Em alguns casos, o preço da saca de propriedades participantes dos concursos chega a ser o dobro em relação às que não observam os critérios de excelência para plantio e secagem dos grãos\", destaca.

Segundo o empresário, os cafés de qualidade têm espaço nas prateleiras do mercado mundial. \"Querem cada vez mais o bom café produzido aqui. Esperamos ampliar a oferta desse tipo de café e ocupar cada vez mais espaço nesse mercado\", ressalta. 

Tristão estima que a comercialização dos cafés finos ou de melhor qualidade represente em torno de 20% das exportações totais. Apesar de a fatia ainda ser pequena, salientou que ela é bastante considerável, tendo em vista que há 10 anos o Brasil praticamente não vendia esse tipo de produto no exterior. \"A expectativa é que a demanda mundial cresça ainda mais nos próximos anos em virtude das condições favoráveis que o País apresenta para ampliar a cultura de produtos de qualidade. Além disso, as tradicionais regiões fornecedoras, como a América Central e a Colômbia, estão estagnadas, contribuindo ainda mais a abertura do mercado para os nossos cafés\", finaliza.

O prêmio

Voltado para os produtores da variedade Arábica dos municípios localizados na região das montanhas do Estado, o prêmio visa a incentivar a busca pela excelência na produção, como meio mais eficaz de conquistar novos mercados e atender a crescente demanda por cafés diferenciados.

O 10ª Prêmio Cafuso/UCC das Montanhas do Espírito Santo foi realizado em duas etapas: municipal e estadual. A primeira selecionou os melhores lotes de cada município, através das análises sensoriais realizadas em, no mínimo, duas rodadas, que correspondem a 80% da pontuação.

Para os municípios que tiveram entre 10 e 30 amostras inscritas, o valor do prêmio foi de R$ 3 mil para o primeiro, R$ 2 mil para o segundo e R$ 1 mil para o terceiro colocado. Aos locais com mais de 31 amostras competindo, a premiação foi de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 2 mil para os primeiros, segundos e terceiros lugares, respectivamente. Além disso, os quartos e quintos colocados de cada município receberam prêmio no valor de R$ 500.

No município onde não houve o número mínimo de nove amostras inscritas, somente o melhor lote selecionado disputou o grande prêmio. Além da premiação em dinheiro, os cafeicultores são beneficiados com ágio sobre o preço de seu produto e receberam certificado de qualidade.
Os campeões da etapa estadual receberam R$ 20 mil, a primeiro colocada, R$15 mil a segunda e R$ 10 mil o terceiro. 

Entre os critérios observados para a pontuação sócio-ambiental estiveram: rastreabilidade, utilização de fertilizantes e defensivos, gestão do solo e dos resíduos, procedimentos de colheita e pós-colheita, conservação do meio ambiente e saúde e segurança do trabalhador. O resultado da análise sensorial desenvolvido por uma comissão julgadora corresponde aos outros 80% da avaliação.

Através da Realcafé, que está entre as maiores torrefadoras do Brasil, o grupo Tristão promove a premiação, coordenada pela Cooperativa dos Cafeicultores das Montanhas do Espírito Santo (Pronova). O trabalho é resultado de uma parceria com a torrefadora japonesa Ueshima Coffee  Company (UCC), o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes).
 
Confira os primeiros colocados de cada município:

Afonso Cláudio: João Turra Nunes
Alfredo Chaves: Jhonatas Afonso Sartori Zucolotto
Brejetuba: Mozaniel Silva de Lima
Castelo: Luiz Carlos Cecotti
Conceição do Castelo: Renata Vargas Rigo de Souza (2º lugar estadual)
Domingos Martins: Adriano Orlando Wruck
Ibatiba: Antônio Gomes Pereira
Itaguaçú: Geraldo Francisco Casagrande
Itarana: Aristeu Possimoser
Iúna: Adair Leocádio Pereira
Marechal Floriano: Hilda Stein Krokling (1º lugar estadual)
Muniz Freire: Antonio Pessim
Santa Maria de Jetibá: Nicolau Arnholz
Santa Teresa: Nicoly Gomes Covre
São Roque do Canaã: Lafaiete Francisco Alves
Vargem Alta: Jose Luiz Machado
Venda Nova do Imigrante: João Manegoni (3º lugar estadual)
 

Veja tambÉm: