Mais Café

Cooparaiso realiza curso de classificação e degustação de café

Classificação e degustação auxilia na busca pela qualidade

 

postado em 27/11/2009 | Há 8 anos

Cooparaíso – Assessora de Imprensa


Cooparaíso – Assessora de Imprensa
27/11/2009

Heloisa Aguieiras
 
O Senar, em parceria com a Cooparaiso e Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços de São Sebastião do Paraíso (Acissp), promoveu nesta semana mais um curso de classificação e degustação de café. O curso se faz importante, pois é uma ferramenta precisa na busca pela qualidade de café. Com tais aulas é possível identificar os “defeitos” e as qualidades existentes.
 
De acordo com coordenador do Departamento de Classificação da Cooparaiso, Alexandre Silveira Pádua, o curso é capaz de ensinar a reconhecer os diversos problemas que o café pode apresentar e, a partir daí, o produtor pode partir em busca de saná-los a tempo de não ter prejuízos. “A visualização que se aprende no curso de classificação, por exemplo, serve para que o produtor separe seus lotes de maneira adequada no seu benefício”, relacionou ele.
 
O café com qualidade baixa pode gerar prejuízos ao produtor, que receberá menos. Atualmente, a saca está, em média, R$ 260, e esse deságio pode chegar a R$ 70. Já a qualidade, pode agregar valor ao café. Atualmente o ágio para cafés com qualidade superior está em R$ 15; além disso, o produtor que tiver um café com esta qualidade pode classificar o produto em concursos e ganhar muito mais por ele, participando de leilões.
 
Assim, o curso se faz tão importante. Através dele, o produtor consegue separar um lote de qualidade mais baixa não misturando com a de superior, sem que um “estrague” o outro, afinal ele vai saber reconhecer os defeitos e impurezas.
 
Alexandre explica que no curso o aluno vai aprender, por exemplo, a identificar um café fermentado, que é aquele que foi esparramado no terreiro de forma grossa ou que não foi rodado como deveria.
 
“Ele também vai aprender sobre o aspecto do café e o reconhecimento dos defeitos existentes, como por exemplo, o grão quebrado, ardido, brocado e impurezas que podem surgir do processo de beneficiamento mal conduzido pela regulagem do equipamento”, explica Alexandre. Os treinandos ainda aprendem sobre ponto de torra e moagem do café.
 
Fernando Tubaldini, que é filho do produtor e associado da Cooparaiso, Francisco Tubaldini, proprietário da Fazenda São Francisco, fez o curso, justamente em busca de elevar a qualidade de seu café. “Há muito tempo temos notado que a nossa produção está sendo de qualidade mais baixa. O objetivo de fazer o curso é melhorar, cada vez mais, a qualidade de nosso café e ainda com o curso é possível tirar alguns defeitos do café e melhorar o resultado final do produto”, disse ele.
 
O classificador e degustador da Cooparaiso, Omar Silvio de Oliveira, foi o instrutor desse curso. Ele disse que a parte teórica das aulas também é fundamental, pois ensina como trabalhar corretamente na pós-colheita.
 
Omar explicou que o curso é de 40 horas, divididas em uma semana, o que permite que o aluno saia com uma habilidade boa na classificação, tendo uma boa noção do que é um café de alta ou baixa qualidade. “A degustação demanda um tempo maior de treinamento para aprimorar o paladar. Um bom degustador precisa ter boa vontade, muita perseverança porque é uma profissão que exige muitos treinamentos, muita concentração e, acima de tudo, muita dedicação”, recomenda o instrutor.
 
O curso é oferecido, em média, quatro vezes ao ano, totalmente gratuito. As turmas são formadas por, no máximo 12 pessoas. Os interessados devem procurar pelo mobilizador da instituição, na Cooparaiso, ou através do telefone 3411-7052.

 

Veja tambÉm: