Mais Café

Vale do Café oferece belas paisagens, gastronomia e mergulho na história imperial

Os visitantes do Vale do Café, no Sul do Estado do Rio de Janeiro, são atraídos pela natureza fascinante, pelo contato com a história imperial, pela gastronomia e pela hospitalidade dos proprietários das fazendas históricas, dos hotéis, restaurantes e de

 

postado em 16/03/2016 | Há 11 meses

Por Cida Alves | Sopa Cultural

Vale do Café oferece belas paisagens, gastronomia e mergulho na história imperial

A história, contada através das relíquias deixadas pela nobreza, leva os visitantes relembrarem o modo de viver, as preferências e o refinamento dos barões do café.

Segundo o filósofo pré-socrático Heráclito de Efeso, “ninguém entra em um mesmo rio uma segunda vez, pois quando isso acontece já não se é o mesmo, assim como as águas que já serão outras”. Interpretando o pensador, concluímos que ter contato com essa região é renovar a alma através da paisagem e da riqueza histórica. Com o isso, provavelmente o visitante terá outra visão sobre o Vale do Café.

Projeto Tour da Experiência Caminhos do Brasil Imperial

Centro histórico de Vassouras / Foto: Cida Alves

Centro histórico de Vassouras / Foto: Cida Alves

O projeto Tour da Experiência Caminhos do Brasil Imperial, tem certificação do Sebrae e conta com 18 estabelecimentos turísticos, localizados nos municípios de Barra do Piraí, Piraí, Rio das Flores, Valença e Vassouras.

O visitante é recebido nas fazendas por condes, viscondes, barões e imperadores. O passeio é guiado por historiadores, guias turistas e professores, que se vestem com roupas de época para relembrar os hábitos dos antigos donos das fazendas. Assim, o visitante entra no clima dos poderosos barões do café. O passeio é acompanhado pelos proprietários das propriedades.

Fazenda lembra cheiro de terra, criação de animais e verde das plantações. Mas, o Vale do Café tem muito mais para oferecer. Tem música, boa gastronomia, histórias do Brasil Imperial, tranquilidade e muito conforto.

Conhecer as fazendas é reviver a história

Na Fazenda Paraizo o visitante é recebido pelo Barão do Rio Preto e pela sua esposa Maria das Dores / Foto: Cida Alves

Na Fazenda Paraizo o visitante é recebido pelo Barão do Rio Preto e pela sua esposa Maria das Dores / Foto: Cida Alves

Na Fazenda do Paraizo, em Rio das Flores, os turistas são recebidos pelo Visconde do Rio Preto e pela sua segunda esposa Maria das Dores, antigos donos da sede da fazenda entre 1845 e 1853. Com roupas de época, os guias turistas Adriano Novaes e Samantha Souza fazem uma viagem na história. A mansão do século XIV mantém as pinturas artísticas originais e a mobília. A propriedade pode ser considerada um arquivo vivo.

A fazenda pertence ao casal Simone e Paulo Roberto Belfort, cujo bisavô adquiriu da família do visconde, em 1912. Eles, que são administradores de empresas, fazem questão de acompanhar os passeios. O Tour inclui conhecer a sede da fazenda, onde é recontada a história dos antigos proprietários e da produção de café na localidade. No final da visita, é oferecido um delicioso café com bolos e doces feitos no fogão à lenha.

Perto da fazenda tem a FLORART – Associação dos Artesãos de Manuel Duarte e Porto das Flores, onde criatividade é o que não falta. O resultado está nas cerâmicas, bonecas, toalhas e guardanapos bordados. Quase 60 artesãos da região trabalham no local. Essa é uma oportunidade para o contato com a arte e também de poder levar uma lembrancinha da viagem. 

Riqueza histórica na Fazenda União 

Capela da Fazenda União / Foto: Cida Alves

Capela da Fazenda União / Foto: Cida Alves

Com uma paisagem de campo exuberante, a Fazenda União é um belíssimo conjunto de casarões do Brasil Império do Século XIX, em Rio das Flores. Além de conservar as memórias da nobreza e do Ciclo do Café, o local revela os costumes e as tradições do período do Império. 

O Casarão, de 1836, chama atenção, tanto pela grandeza nos detalhes arquitetônicos, quanto pela riqueza histórica. A fazenda reconstruiu uma senzala com réplicas de escravos em tamanho real. O trabalho transmite emoção e leva os visitantes um contato próximo à época da escravidão. O trabalho é do artista plástico Jerônimo Magalhães, que fez vez várias pesquisas para concluir as obras. 

Fazenda União / Foto: Cida Alves

Fazenda União / Foto: Cida Alves

Na fazenda também tem um cantinho especial para refletir. A capela construída neste século, mas com peças e pinturas de época, transmite paz espiritual. Entrar na pequena igreja é uma forma de agradecer por ter um contato próximo com a natureza e com a história. Também é possível fazer um passeio na exposição de arte sacra com objetos antigos, incluindo obras que pertenciam à realeza. Segundo Mário Vasconcellos Fernandes, proprietário da fazenda, muitas peças da mobília foram recuperadas em antiquários e leilões. 

No passeio o visitante vive uma experiência incrível através das danças e dos cantos dos escravos, que apresentam o Sarau Da Senzala à Casa Grande. Para relembrar um pedacinho da história clássica, os visitantes apreciam um canto lírico, ao som de piano. O Hotel Fazenda União conta com 24 suítes divididas em 5 categorias. Suítes Real, Imperiais, dos Viscondes, dos Barões e dos Quilombos.

A fazenda reconstruiu a senzala com réplicas de escravos em tamanho real / com Foto: Cida Alves

A fazenda reconstruiu a senzala com réplicas de escravos em tamanho real / com Foto: Cida Alves

Além das cachoeiras, fazendas, trilhas, beleza e memórias de Rio das Flores, segundo os registros históricos, Santos Dumont e sua irmã Sofia foram batizados na igreja Matriz de Santa Tereza D’Ávila.

Chá com Eufrásia no Mara Palace

Foto: Cida Alves

Chá com Eufrásia / Foto: Cida Alves

O Mara Palace Hotel, em Vassouras, serve o “Chá com Eufrásia Teixeira Leite”. Os visitantes são recebidos no salão estilo Belle Époque pela poetisa Jussara de Andrade, caracterizada como Eufrásia. Ela conta em versos de cordel um pouco da história e da coragem dessa importante mulher no Vale do Café. Depois da apresentação, o visitante recebe um livreto com poemas de cordel de autoria da poetisa Jussara.  

O violonista André Medeiros, reproduz o repertório da época com composições de Ravel, Villa Lobos e Francisco Tarrega. Depois do sarau no luxuoso salão, é hora das delícias. Bolo, Rocambole de laranja, patê de foie com geléia de amora e rabanadas de brioche. Assim, fica difícil escolher o mais gostoso.

Eufrásia Teixeira Leite (Vassouras, 1850 – Rio de Janeiro, 1930) transformou a herança da família em uma fortuna. Ela ficou solteira, mas teve um romance com Joaquim Nabuco. Eufrásia deixou mais da metade da fortuna para instituições assistenciais e educacionais da cidade de Vassouras.

Fazenda Cachoeira Grande foi moradia do Barão de Vassouras

Fazenda Cachoeira Grande / Foto: Cida Alves

Fazenda Cachoeira Grande / Foto: Cida Alves

Foi na Fazenda Cachoeira Grande onde morou Francisco José Teixeira Leite, o Barão de Vassouras. Em 1820, foi aberta a famosa “Estrada da Polícia”, ligando o Rio de Janeiro às Minas Gerais.

Em 1987 a fazenda foi adquirida pelo empresário Francesco Vergara Caffarelli, que contou com apoio da esposa Nubia para restaurar a casa, que tem um valor histórico grandioso. Com cenário encantador, a fazenda abre as portas para os visitantes. Todos os objetos e móveis têm detalhes da época imperial. As janelas e portas foram restauradas.

Na casa também há um mini museu de carros. São 20 automóveis de diversas épocas. Também há duas carruagens. As visitas são agendadas a partir de duas pessoas.

Hotel Santa Amália e o “Cozinha da Baronesa e o Batuque do Quilombo” 

Foto: Cida Alves

Foto: Cida Alves

O Hotel Santa Amália leva o hóspede a refrescar a memória através do “Cozinha da Baronesa e o Batuque do Quilombo – Raízes do Brasil Imperial”. Uma apresentação do grupo capoeira e maculelê mostra a riqueza cultural da região. O almoço é servido no nobre salão do restaurante do hotel.

Fazenda Santa Eufrásia cultiva plantação de café

Foto: Cida Alves

Fazenda Santa Eufrásia / Foto: Cida Alves

A casa sede da Fazenda Santa Eufrásia, construída por volta de 1830, tem como proprietária Elisabeth Dolson, que recebe os turistas com trajes do século XIX. O visitante é recepcionado com uma dose de licor de café.

A fazenda particular é a única tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) no Vale do Café. No acervo há mobiliário e utensílios do século XIX. O passei inclui conhecer a mobília e a plantação de café.

Fazenda Alliança e as palmeiras imperiais

Fazenda Alliança / Foto: Cida Alves

Fazenda Alliança / Foto: Cida Alves

As palmeiras imperiais são testemunhas da era dos barões do café. A plantação na entrada principal da casa significava que havia alguém muito importante na propriedade. Com características de uma fazenda produtora de café, a Fazenda Alliança, Barra do Piraí, tem um grandioso conjunto arquitetônico. A senzala não resistiu ao tempo e está completa apenas na memória.

Com dedicação a produção orgânica, a propriedade busca incentivar os visitantes a um estilo de vida mais saudável, através de produtos orgânicos. A fazenda tem seu diferencial e investe na criação de búfalas, alimentadas e tratadas com processo orgânico. No final do passeio, o visitante poderá saborear as delícias naturais: doces, queijo de búfalas e sucos com frutas colhidas na propriedade.

Fazenda Vista Alegre é cenário de novelas, minisséries e produções televisivas

Fazenda Vista Alegre / Foto Cida Alves


Fazenda Vista Alegre / Foto Cida Alves

Com uma belíssima paisagem, a fazenda Vista Alegre, localizada em Valença, é considerada uma das mais importantes do Século XIX. Em seu histórico, tem a união do cultivo do café com a música e as artes teatrais. Foi na propriedade onde nasceu a “Escola de Ingênuos”, considerada a primeira no país a alfabetizar filhos de escravos e crianças pobres. A preparação da banda sinfônica da fazenda acontecia também na Casa da Música.

Devido à beleza, novelas, minisséries e produções televisivas, como a novela “Salomé”, clipe especial Xuxa 10 Anos de Globo (“Lua de Cristal”) e a novela “A Viagem” foram gravadas na propriedade.   

Hotel Fazenda Florença oferece jantar com Dom Pedro II

Hotel Fazenda Florença / Foto: Cida Alves


Hotel Fazenda Florença / Foto: Cida Alves

No Hotel Fazenda Florença é possível viajar no túnel do tempo e jantar com o Imperador Dom Pedro II e a Imperatriz Tereza Cristina. O jantar, preparado com base nas receitas do período imperial, é servido no salão onde tem duas esculturas de cera do casal imperial.

Além do charme do local, o visitante mergulha na história ao assistir um sarau com direito à música clássica e encenação dos hábitos dos poderosos da época. Os atores são moradores da região que se dedicam a cultivar a história.  

Depois de mergulhar na intimidade dos barões, o visitante vai conhecer de perto a propriedade, uma prova de que a nobreza está presente em cada canto. O passeio é guiado pelo proprietário Paulo Roberto Santos, que tem o prazer de contar a história da propriedade, dos objetos, da mobília e dos hábitos dos antigos moradores. 

Sinhá apresenta a Fazenda São João da Prosperidade

São João da Prosperidade / Foto: Cida Alves

São João da Prosperidade / Foto: Cida Alves

Na Fazenda São João da Prosperidade, em Ipiabas, o visitante é recebido por Magides Breves Nunces, vestida de “Sinhá”. A proprietária faz um rápido “workshop” sobre a história da imensa casa, que possui quinze quartos, seis salões, um pátio interno, cozinha e um terreiro de café.

A fazenda tem como principais atividades a pecuária, o reflorestamento de eucalipto, o turismo e uma fábrica de linguiça. Os detalhes vãos desde a construção do imóvel até as mudanças, feitas ao longo do tempo. De longe o visitante imagina que o casarão comprido tenha sido uma senzala, mas “Sinhᔠafirma que o local funcionava como alojamento das tropas de mulas, que transportavam café.

Além de conhecer os hábitos dos antigos proprietários da fazenda, o visitante não poderá concordar com a música de Chico Buarque. “Eu juro a vosmecê, que nunca vi Sinhá”.

Hotel Casa do Manequinho

Foto: Cida Alves
Foto: Cida Alves

No Hotel Casa do Manequinho, em Piraí, o visitante é atraído pela gastronomia. O bistrô da casa tem um cardápio inusitado. A feijoada tilápia, feita com feijão branco, é acompanhada com arroz de laranja, farofa de macadâmia, couve refogado e torresmo de couro de tilápia. A experiência é inesquecível e quem vai uma vez ficará fascinado pelo cardápio, exclusivo da casa e desenvolvido pela chef Ana Paula Hack. A mousse de capuccino com macadâmia é um convite para voltar ao bistrô.  

Bebidas refinadas no Empório dos Arcos 

O Empório dos Arcos, em Ipiabas, distrito de Barra do Piraí, conta com produtos totalmente diferenciados como vinhos, queijos, azeites, geléias, compotas, doces, águas importadas, cervejas artesanais, sucos, cafés, chás e vários tipos de bebidas.

Empório dos Arcos / Foto: Cida Alves
Empório dos Arcos / Foto: Cida Alves

Conhecer a Região do Vale do Café é reviver o passado, através de passeios turísticos nos palacetes históricos, com mobílias da época. As marcas do tempo estão espalhadas em todos os lugares. Cada fazenda tem seu valor histórico e um encanto peculiar. No Vale do Café, os proprietários têm a alegria de recontar a história de uma época marcada pela riqueza dos cafezais e da nobreza.

Serviço
Tour da Experiência Caminhos do Brasil Imperial no Vale do Café
Email: valedocaferio@gmail.com
Saiba mais: valedocaferio
Facebook 

Sarau na Fazenda Florença / Foto: Cida Alves

Sarau na Fazenda Florença / Foto: Cida Alves

 

 

Veja tambÉm: