Mercado

Café perde mercado jovem para energético nos EUA

Apenas um quarto dos americanos com idade entre 18 e 24 anos consomem café diariamente, segundo pesquisa

 

postado em 20/11/2010 | Há 6 anos

por José Gabriel Navarro | Globo Rural

Americanos acima dos 45 anos devem garantir o crescimento das vendas de café nos Estados Unidos nos próximos cinco anos. A maioria deles toma uma xícara da bebida diariamente. Já entre os mais jovens, a situação é outra. Reportagem do portal da revista Time publicada esta semana, citando dados da consultoria Mintel, afirma: apenas 27% dos americanos com idade entre 18 e 24 anos ingerem café diariamente. Eles têm substituído a bebida — consumida como nós a conhecemos desde o século XVI, quando ainda era uma rara especiaria oriental — pelos energéticos.

O motivo da mudança, segundo especialistas, seria a falta de investimento em marketing por parte da indústria cafeeira dos Estados Unidos, enquanto, nos últimos dez anos, fabricantes de energéticos têm consolidado diversos rótulos no mercado. O exemplo mais citado é o Red Bull, criado em 1984 e legalizado em 1987, na mesma década em que o café se tornou a segunda commodity mais negociada por preço do mundo, perdendo apenas para o petróleo. Além disso, marcas de bebidas energéticas também vêm se associando a eventos e práticas esportivas, o que poderia lhes conferir uma imagem mais atrelada à saúde que o café.

Bill Patterson, analista sênior da consultoria Mintel, disse à Time que ele não vê um jovem atual “chegando aos 30 anos e dizendo: ‘ok, eu vou consumir café a partir de agora’” e, portanto, “a preocupação é real”. Outros analistas afirmam que o investimento da indústria cafeeira em publicidade e solidificação de marca deve focar principalmente nos cafés gourmets, caminho trilhado com sucesso pela rede Starbucks, segundo eles.

No Brasil, ao que tudo indica, a preocupação deve ser menor. A Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) declarou, no início de 2010, que previa crescimento 5% do consumo do grão no país este ano. E um estudo da associação relativo a 2009 mostra que a faixa etária de 20 e 26 anos concentrava a maior parte dos consumidores de café naquele ano: 28%. Em segundo lugar, estão os que têm entre 15 e 19 anos, com 24% do consumo — mas também com o maior número de não-consumidores de café (35%).

 

Veja tambÉm: