Mercado

COTAÇÃO DO CAFÉ: N.Y. finalizou as operações nesta quarta-feira em campo negativo

 

postado em 26/08/2010 | Há 7 anos

Infocafé de 25/08/10.    

 
MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$ 315,00 R$ 305,00  
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 315,00 R$ 305,00 Setembro/2010 164,10 -2,75
Alta Paulista/Paranaense R$ 310,00 R$ 300,00 Dezembro/2010 166,60 -1,85
Cerrado R$ 320,00 R$ 315,00 Março/2011 166,95 -1,90
Bahiano R$ 310,00 R$ 300,00  
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Cons Inter.600def. Duro R$ 235,00 R$ 230,00 Setembro/2010 211,00 +1,70
Cons Inter. 8cob. Duro R$ 260,00 R$ 250,00 Dezembro/2010 198,65 -0,55
Dólar Comercial: R$ 1,7660 Março/2011 199,75 -0,55

N.Y. finalizou as operações nesta quarta-feira em campo negativo, a posição dezembro variou entre a máxima de + 1,45 pontos e mínima de -3,10 fechando com registrou mínima de fechando com -2,75 pontos. Continuidades de vendas por parte de fundos e especuladores pressionaram as cotações.

O dólar fechou em leve alta refletindo a aversão ao risco dos investidores diante das persistentes preocupações com a economia global, sobretudo a norte-americana, e também as expectativas de que o governo japonês deverá tomar em breve medidas para controlar a apreciação do iene. A alta foi, porém, limitada pela melhora das Bolsas em Nova York no meio da tarde e por notícias que reforçam a realização da capitalização da Petrobras em 30 de setembro, com consequente aumento de fluxo cambial para o País e tendência de desvalorização do dólar ante o real. A moeda americana fechou com 0,06% cotada a R$ 1,7660.
Fontes informaram, no período da tarde, à  Agência Estado que em reuniões realizadas hoje com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a Petrobras o governo já teria batido o martelo sobre o preço final do barril a ser repassado pela União para a Petrobras por meio de cessão onerosa. Segundo essas fontes, o valor ficou em torno de US$ 8, exatamente o caminho do meio entre os valores discrepantes de US$ 6 e US$ 12 apontados para o barril pelas consultorias contratadas respectivamente pela Petrobras e pela ANP. Se confirmado os US$ 8, o valor da cessão onerosa de cinco bilhões de barris atingiria US$ 40 bilhões. Além disso, a perspectiva do mercado doméstico de câmbio é de que, com o final das férias no hemisfério norte, as empresas retomem as operações de captação no exterior. Na lista de companhias que devem ir a mercado até o final do ano já constam OSX, Odebrecht, Net, Braskem, BicBanco e Banco Bonsucesso, de acordo com fontes. Os especialistas acreditam que a maioria deve tentar antecipar as operações para o mês que vem, já que em outubro há eleições. No leilão de hoje, o Banco Central comprou dólares e fixou a taxa de corte em R$ 1,7640.
 
O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje a criação de uma linha de crédito de comercialização com recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para operações no mercado futuro. O dinheiro poderá ser destinado ao financiamento da constituição de margens e de ajustes diários, em operações de vendas a futuro, aquisição de prêmios em contratos de opções de venda e demais taxas e emolumentos necessários a este tipo de transação lastreada em café na bolsa de mercadorias e futuros nacional. O objetivo do CMN com este voto é oferecer aos produtores e cooperativas uma opção a mais para comercialização da produção de café da safra 2010/2011, em melhores condições de mercado, possibilitando a redução do risco de preço. \"A situação está muito positiva para o café este ano. Estamos na safra grande e os preços de mercado estão favoráveis no Brasil e exterior\", considerou o secretário-adjunto de política econômica do Ministério da Fazenda, Gilson Bittencourt. Ele explicou que se houver incentivo para a venda futura, aproveitando os bons preços atuais, é possível escalonar a boa oferta. \"Os produtores conseguem garantir um bom preço no momento atual.\" O total de recursos disponíveis do Funcafé para esta linha é de R$ 50 milhões. Atualmente, o interessado pode obter recursos existentes por meio de depósitos à vista. O dinheiro poderá financiar até 100% do valor exigido em bolsas, mas limitado a R$ 80 mil por produtor. No caso de cooperativa, R$ 40 mil por produtor cooperado. A contratação da linha poderá ser feita pelos interessados até o dia 1º de dezembro deste ano, com prazo de reembolso idêntico ao de liquidação da operação de mercado de futuros ou de opções, a 360 dias contados a partir da data de contratação, e com taxa de juros de 6,75% ao ano.

 

Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini
 

Veja tambÉm: