Estatísticas

Consumo de café cresce no País, mas indústria perde rentabilidade

 

postado em 29/01/2010 | Há 8 anos

Agência Estado

28/01/10

São Paulo, 28 - O consumo de café no Brasil tem crescido a taxas incomparáveis no mundo. Estima-se que a média mundial é de 1,5% ao ano, mas o índice no Brasil alcançou 4,15% no ano passado (mais 740 mil sacas de 60 kg), saltando para 18,4 milhões de sacas de 60 kg.

O resultado surpreendeu a própria indústria de café, que esperava inicialmente crescimento de 3%. Mas o setor vive um paradoxo, pois ao mesmo tempo em que o consumo aumenta, as indústrias passam por "situação aflitiva, vendo a rentabilidade desaparecer", informa o diretor-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz.

Conforme Nathan, diversos fatores concorrem para agravar a situação. Ele cita a estabilidade dos preços do café no varejo há pelo menos quatro anos, "enquanto os custos só aumentaram". Em janeiro de 2008, o café custava R$ 10,20/kg, em média, nos supermercados, enquanto em dezembro/2009 o preço era de R$ 10,49/kg, uma evolução de somente 2,8%, abaixo da inflação do período. Assim, o café continua sendo um produto muito acessível aos consumidores, mesmo nas categorias de maior qualidade e mais valor agregado, como os cafés superiores e gourmet.

"Se considerarmos nesse período, o aumento da carga tributária e a apropriação de margem pelo varejo, o preço recebido pela indústria reduz ainda mais", observa Nathan, que salienta que a pressão do varejo limita alta dos preços. Além disso, a concorrência dentro do próprio setor leva a uma indesejável competição pelo menor preço. Segundo ele, a situação é grave e prejudica principalmente pequenas e média torrefadoras.

 

 

Veja tambÉm: