Mercado

COTAÇÃO DO CAFÉ - Mercado cafeeiro finalizou as operações nesta quarta-feira

 

postado em 29/04/2009 | Há 8 anos

Infocafé de 29/04/09      

 
MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$ 255,00 R$ 245,00  
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 255,00 R$ 245,00 Maio/2009 116,05 +0,35
Alta Paulista/Paranaense R$ 250,00 R$ 240,00 Julho/2009 116,50 +0,25
Cerrado R$ 260,00 R$ 250,00 Setembro/2009 118,70 +0,25
Bahiano R$ 250,00 R$ 240,00  
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Cons Inter.600def. Duro R$ 233,00 R$ 230,00 Maio/2009 123,75 +1,50
Cons Inter. 8cob. Duro R$ 238,00 R$ 233,00 Julho/2009 127,25 +0,65
Dólar Comercial: R$ 2,1800 Setembro/2009 130,80 +0,10

  O mercado cafeeiro finalizou as operações nesta quarta-feira com as atenções voltadas para a reunião do Conselho Monetário Nacional que será realizada amanhã, na qual será definido o novo preço mínimo para o café. É com base no preço mínimo que o governo executa a política de apoio à comercialização onde poderá ser lançado o tão aguardado programa de opções. Em N.Y. a posição julho variou entre a mínima - 0,70 e máxima de + 0,85 pontos, fechando com + 0,25 pts. No interno alguns negócios isolados foram realizados.
  O dólar no mercado doméstico operou em sintonia com a queda externa da moeda norte-americana em meio ao aumento do apetite por risco que amparou firmes ganhos às bolsas internacionais e no Brasil. O dólar comercial recuou 0,77% e fechou a R$ 2,1800.  O giro financeiro total à vista somou cerca de US$ 2,090 bilhões.

 No Brasil, a rolagem parcial ontem de US$ 1,994 bilhão do vencimento total de US$ 5,7 bilhões em contratos de swap cambial em 4 de maio e a venda hoje pelo BC de US$ 500 milhões em leilão com recompra atenderam à demanda do mercado, que dá sinais de que espera um dólar mais fraco neste fim de mês, disse um operador de tesouraria de um banco nacional, citando que, ao rolar apenas cerca de 35% desse vencimento de swap, o BC  assumiu posição comprada (credora) equivalente ao montante não renovado desses contratos  (cerca de US$ 3,7 bilhões). "Esse reposicionamento do mercado em meio ao ambiente externo favorável hoje e um fluxo cambial positivo ampararam o recuo das cotações", afirmou  a mesma fonte consultada.

  A expectativa dos participantes no mercado doméstico agora se volta para a decisão de política monetária do Comitê de Política Monetária do Banco Central, que será anunciada hoje à noite. A aposta majoritária dos investidores é de que a taxa de juros Selic poderá ter um  corte de 1 ponto porcentual, para 10,25% ao ano. Em relação ao mercado externo, os investidores gostaram da sinalização feita pelo Federal  Reserve (Fed, banco central dos EUA) de que pode aumentar o tamanho dos programas de  compras de títulos relacionados a hipotecas e títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) se for  necessário para manter o custo dos empréstimos baixo e facilitar a saída dos EUA da  recessão.

O Fed também disse que "a perspectiva econômica melhorou modestamente",  embora deva continuar fraca "por um tempo". Contudo, "o ritmo da contração parece algo mais  lento", observou. Essa indicação do Fed de certa estabilidade na economia ampliou o sentimento positivo visto  nos mercados desde a abertura, por causa da disposição dos investidores de enxergar algum alento por trás do resultado negativo do PIB dos EUA no primeiro trimestre.

Apesar da queda  de 6,1% do PIB norte-americano no primeiro trimestre (preliminar), os dados mostraram  aumento dos gastos com consumo.
A iniciativa de implantar em Luís Eduardo Magalhães/BA a Universidade Illy surgiu durante a visita do grupo italiano ao município, entre os dias 23 e 25 de abril. Recebidos pelo prefeito Humberto Santa Cruz e pela diretoria da Bahia Coffee Produtores Associados, os representantes da Illy percorreram diversas fazendas e realizaram provas em dezenas de lotes de café.

O objetivo foi ampliar as relações comerciais com a região Oeste da Bahia e estreitar os laços de parceria.
A Universidade Illy capacita produtores e trabalhadores rurais a produzir café de excelente qualidade em todo o mundo. São cursos que vão desde a gestão de propriedades rurais, manejo, levantamento de custo, até a produção ecológica e socialmente sustentável. O prefeito Humberto Santa Cruz quer a Universidade funcionando em Luís Eduardo o mais rápido possível.  “Vamos trabalhar para em 2010 já termos a Universidade Illy em nosso município.

Com certeza ela trará grandes benefícios para os produtores e, sobretudo, para os trabalhadores rurais, que aprimorarão suas habilidades e vão ter mais oportunidade de conquistar emprego e melhores salários”, reforçou o prefeito.
O presidente da Bahia Coffee, Lucas Garcia, disse que o interesse da Illy pelo café produzido na região é animador, mas a transferência de conhecimento que essa relação pode gerar é o mais importante. “Nossos produtores têm investido muito em produtividade, o que é muito importante, mas precisamos melhorar também a qualidade do café produzido. O café adquirido pela Illy é sempre de alto nível de qualidade. É por isso que ela paga 50% a mais no valor da saca”.

Glauber de Castro, vice-presidente da Bahia Coffee, explica que a maior parte dos fornecedores da Illy é formada por produtores que cultivam uma média de 20 hectares de café, enquanto a média, em Luís Eduardo Magalhães, é de 200 hectares por produtor. “A tendência é que os melhores grãos venham de pequenas produções, produções artesanais. Mas com a tecnologia que temos aqui na região é possível unir produtividade e qualidade. É isso que estamos buscando”.


Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini
 

Veja tambÉm: