Mais Café

SINCAL: Poderia US $ 0,10 resolver o grande problema do café no mundo?

Com o grosso bigode e firme caminhada, Juan Valdez, acompanhado de sua mula Conchita, é a imagem do cafeicultor colombiano.

 

postado em 18/01/2018 | Há 1 mese

SINCAL

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018 

Natalio Cosoy (@nataliocosoy)
BBC World, Bogotá

Com o grosso bigode e firme caminhada, Juan Valdez, acompanhado de sua mula Conchita, é a imagem do cafeicultor colombiano.

E, embora nas plantações de café do país seja possível atravessar caminhos com homens que poderiam encarar esse personagem fictício, você vê pessoas muito velhas pegando aquela fruta e também crianças. Este é um dos grandes problemas de uma indústria gigantesca em que o primeiro elo na cadeia de valor é o mais fraco.

"Eu chamo isso de neocolonial", diz Fernando Morales de La Cruz, da Café for Change, uma das muitas empresas de café socialmente orientadas. Segundo ele, é devido à concentração de riqueza enorme em grandes empresas multinacionais e à baixa porcentagem dessa renda que atinge os países produtores, onde é comum que os camponeses vivam na pobreza e haja trabalho infantil.

O gerente geral da Federação Nacional de Produtores de Café da Colômbia (FNC), Roberto Vélez, informou na segunda-feira, no final do 84º Congresso do Café da Colômbia, a baixa renda dos trabalhadores de campo dedicados a esta cultura, em relação à economia global do café, que totalizou US $ 200 mil milhões por ano, dos quais: "Os produtores mundiais só têm acesso a menos de 10%".

Na Colômbia, por exemplo, disse que a produção anual de cerca de 14 milhões de sacas (60 quilos cada) gera US $ 2.289 milhões de dólares. Se todo esse dinheiro fosse benéfico dos produtores - não é assim, porque há custos de produção e de distribuição que pagam, entre outros - as 750.000 pessoas que trabalham diretamente no cultivo receberiam um salário mínimo legal, em torno dos EUA $ 240.

É uma situação que se repete no mundo do café, dos quais cerca de 25 milhões de famílias (125 milhões de pessoas) vivem em países da África, Ásia e América Latina, de acordo com a Organização Internacional do Café (OIC).

Vélez disse à BBC Mundo que, na Colômbia, eles têm um problema com a idade dos cafeicultores, com idade média de 53 anos, mas no caso do trabalho infantil, não é realmente que existam crianças escravas, é uma prática tradicional do campesinato do país (EUA aponta para a produção colombiana de café devido ao uso de crianças).

De qualquer forma, o gerente geral do FNC vê que a concentração de grandes compradores de café em quatro ou cinco grandes empresas transnacionais que representam 75% da demanda afeta os produtores.

"O que uma xícara de café custa em Nova York, US $ 3,5, um produtor recebe US $ 0,05", disse ele.

"A cadeia de valor tem um desequilíbrio".

"Cada vez mais desvantajoso".

Hoje em dia, em Medellín, ocorre o primeiro Fórum Global de Produtores de Café, uma iniciativa do FNC onde procura alternativas à sustentabilidade econômica dos produtores.

É claro para o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, cujo primeiro trabalho foi como representante da Colômbia antes da OCI e nunca deixou o mundo do café.

"Nós concordaremos que nada proposto faz sentido se o cultivo do café não é uma atividade lucrativa para todos os atores da cadeia, incluindo, claro, os produtores", disse ele na abertura do Fórum Mundial.

Ele próprio descreveu o impacto da concentração do mercado do café em poucas mãos (especialmente entre compradores, torradores e distribuidores): "Em muitos casos, o acesso dos cafeicultores ao mercado, especialmente os pequenos, é cada vez mais desvantajoso e eles devem negociar em condições muito desiguais, o que deve motivar uma discussão serena e realista de como compensar essas assimetrias ".

José Sette, diretor executivo da OCI, disse à BBC Mundo sobre a situação dos agricultores: "Eu não acho que haja um consenso geral, mas há consciência desse problema (na indústria)".

Ele acredita que é um primeiro passo para o qual, então, é necessário encontrar soluções inovadoras e criativas para uma situação que, se não resolvida, possa ter um impacto na produção.

No entanto, ele não considera que se deve falar de uma indústria "neo-colonial". Embora ele aceite que eles têm um problema, ele diz: "Isso não ajuda a ver isso de forma conflituosa".

10 centavos

Fernando Morales de La Cruz diz que ele tem uma solução para o problema. Ele propõe que US $ 0,10 adicional seja cobrado por xícara de café.

Esses centavos são transformados em cerca de US $ 12 por quilo de café, o que pode fornecer seguro agrícola, segurança social, pensões, educação, água potável, infra-estrutura básica.

"Com US $ 0,10", ele assegura, "todas as crianças de todas as comunidades rurais de todas as comunidades que produzem café terão garantido que não só haverá escolas, mas também haverá professores, água potável, infra-estrutura básico, e que seus pais terão um salário de custo de vida ".

Isso é viável?

Vélez acha que é uma opção viável, que até mesmo foi mencionada pelo economista norte-americano Jeffrey Sachs durante sua apresentação no Fórum Mundial (embora falou de US $ 0,05 em vez de dez centavos). "Não me surpreende que o consumidor saiba que precisa pagar um pouco mais", disse o gerente geral do FNC à BBC Mundo.

"Mas", ele esclareceu, "seria necessário ter a institucionalidade capaz de colecionar e distribuir". Morales de La Cruz acredita que encontrou a resposta através de uma plataforma digital que ele está montando, o que mostrará de forma transparente o dinheiro que entra e sai.

No entanto, há aqueles que acreditam que esse custo não poderia ser transferido para todos os mercados. Na Europa, há espaço para aumentar o preço final, mas certamente não na China. E, como pensa Morales de la Cruz, muitos consideram que o mundo do café realmente deveria se juntar, pelo menos, todos os grandes jogadores do setor.
Velez acredita que há outra opção para garantir uma renda decente aos agricultores: que os grandes compradores comprometem-se a nunca pagar abaixo do custo de produção.

"Não é fácil, mas não vejo isso inalcançável, porque não estamos falando de preços maiores", disse ele à BBC Mundo.

E por que os quatro países que concentram 70% da produção mundial (Brasil, Vietnã, Colômbia e Indonésia) concordam e estabelecem um preço?

Seria inviável, porque a Organização Mundial do Comércio o viria como um cartel, de acordo com Vélez.

Então, é melhor cobrar consumidores ou um preço garantido por grandes compradores?

Vélez não tem certeza da alternativa. Ele até acredita que pode ser outro, mas ele assegura que alguma solução deve aparecer em breve: "Se não, corremos o risco de que a cadeia atravesse o elo mais fraco (o produtor)".

Tradução: Marco Antônio Porto Pimenta

 

Veja tambÉm: