Mercado

COTAÇÃO DO CAFÉ - N.Y. finalizou as operações nesta quarta-feira em campo positivo

N.Y. finalizou as operações nesta quarta-feira em campo positivo a posição dezembro oscilou entre a mínima de -0,50 pontos e máxima de +1,20 fechando com +1,05 pts.

 

postado em 08/11/2017 | Há 2 semanas

MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.  
Sul de Minas R$ 465,00 R$ 445,00  
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 465,00 R$ 445,00 Dezembro/2017 125,75 +1,05
Alta Paulista/Paranaense R$ 455,00 R$ 435,00 Março/2018 129,20 +1,00
Cerrado R$ 470,00 R$ 450,00 Maio/2018 131,50 +1,00
Bahiano R$ 455,00 R$ 435,00  
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Futuro 2018 - 6/7 15%cat R$ 475,00 R$ 465,00 Dezembro/2017 154,00 -1,15
Futuro 2019 - 6/7 15%cat R$ 535,00 R$ 525,00 Março/2018 158,00 -1,45
Dólar Comercial: R$ 3,2640      

O dólar comercial fechou em queda de 0,40%, cotado a R$ 3,2640. Investidores estavam mais otimistas após o presidente Michel Temer demonstrar que está empenhado na aprovação da reforma da Previdência. Apesar disso, o mercado ainda considera difícil que a proposta seja votada este ano no Congresso. Diante disso, o presidente e sua equipe saíram a campo para tentar reverter a ideia de que a reforma já estava derrotada, esforço que continuava nesta quarta-feira.

Conforme indica o boletim da Somar Meteorologia, uma frente fria varre o Brasil e leva chuva para todas as áreas produtoras nos próximos dias. A precipitação mais abrangente acontecerá na sexta-feira no Paraná, São Paulo e Minas Gerais. Em sete dias, estima-se acumulado acima dos 50 milímetros na Mogiana, sul de Minas Gerais e Zona da Mata e algo entre 15 e 30 milímetros no Paraná, oeste de São Paulo, Cerrado, Espírito Santo e Bahia. Na terceira semana de novembro, apesar da migração da chuva para a Região Sul, a última atualização da simulação indica precipitação de pelo menos 50 milímetros desde o Paraná até a Zona da Mata e Cerrado. Ou seja, a quantidade de chuva prevista aumentou comparando-se com as atualizações do início desta semana.

A produção de café arábica da Colômbia nos últimos 12 meses (novembro de 2016 a outubro de 2017) somou 14,312 milhões de sacas, aumento de 2% em relação a igual período um ano antes (14,036 milhões), informou a Federação Nacional dos Cafeicultores do país (FNC). Considerando apenas o mês de outubro, a colheita do país, que é o maior produtor de café arábica lavado do mundo, caiu 23%, para 1,073 milhão de sacas, ante 1,395 milhão de sacas em igual mês de 2016. No acumulado de janeiro a outubro deste ano, a produção no país totalizou 11,340 milhões de sacas, 1% acima das 11,260 milhões do mesmo intervalo de 2016, segundo comunicado da FNC. As exportações de café pela Colômbia nos últimos 12 meses avançaram mais que a produção. Os embarques entre novembro de 2016 e outubro de 2017 alcançaram 13,412 milhões de sacas, um aumento   de 8% em relação às 12,372 milhões de sacas entre novembro de 2015 e outubro de 2016, de acordo com a federação. No acumulado de 2017, as exportações do país totalizaram 10,632 milhões de sacas, 6% de alta em relação ao volume de 10,065 milhões de janeiro a outubro de 2016. As vendas externas de café da Colômbia também se retraíram   em outubro passado. Foram embarcadas 1,156 milhão de sacas, queda de 6%   sobre os 1,230 milhão de outubro de 2016. Fonte: Valor Econômico.

Instagram: mellaomartinicafe

 
Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini

 

Veja tambÉm: