Mais Café

Projeto “Mulheres do Café” apresenta projeto em evento internacional

O Projeto Mulheres do Café do Norte Pioneiro do Paraná será apresentado na 5ª IWCA Convention, em Puebla, no México, que ocorre no período de 3 a 5 deste mês.

 

postado em 07/08/2017 | Há 2 meses

Tribuna do Vale - 01/08/2017

A participação do grupo de mulherescafeeiras do Norte Pioneiro foi um convite da Aliança Internacional das Mulheres do Café, principal parceira do projeto na região. 

Em formato de pôster bilíngue (espanhol e inglês), o trabalho será exposto no dia 3, por Luciana S. Morais - uma dos 12 técnicos do Emater envolvidos no trabalho.

O projeto destacou-se como referência entre os trabalhos realizados junto a mulheres nos 21 países onde a Aliança Internacional das Mulheres do Café está presente atualmente.

A participação no evento internacional, além de valorizar o trabalho feminino e mostrar as atividades que vem sendo realizadas junto aos grupos de mulheres de 11 municípios do Norte Pioneiro, certamente contribuirá para a divulgação do café produzido na região, atraindo a atenção de outros parceiros e compradores. Esta participação só foi possível graças ao apoio do governo do Estado do Paraná, que está custeando as despesas da viagem.

O projeto Mulheres do Café do Norte Pioneiro começou em 2013, por iniciativa do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural – Emater, com o objetivo de capacitar as cafeicultoras para produção de cafés de qualidade e organização delas em grupos, com objetivo demelhor a produção e renda.

Segundo o gerente regional da Emater de Santo Antônio da Platina, a atividade trouxe também bons resultados, como maior valor agregado ao café e melhoria da renda da familiar, reconhecimento estadual, nacionale agora visibilidade  internacional, além de novas oportunidades de negóciospara o café da região, capacitação das mulheres nos processos produtivos, aumento da participação das mulheres nas decisões sobre a  propriedade, melhoria da qualidade do produto, participação e premiação nos concursosestaduais ( as mulheres foram campeãs nas ultimas três edições ), valorização do trabalho feminino, além dos efeitos positivos da autoestima.

“A autorização e custeio da viagem foram feitas pelo governador Beto Richa, que reconhece o trabalho das mulheres cafeicultoras da nossa região”, afirmou o gerente regional.

Derrubando barreiras e preconceitos

Segundo a extensionista da Emater de Pinhalão, Cintia Mara Lopes de Sousa, que acompanha as produtoras desde o início do projeto, o trabalho com as mulheres paranaenses vem mudando a realidade da região do Norte Pioneiro “No começo não foi fácil. Essas mulheres já trabalhavam na cafeicultura com suas famílias, e podiam se especializar, porém, havia desafios quase intransponíveis, como as questões econômicas e familiares. Existiam produtoras que nunca tinham saído de seus sítios. Como iriam participar de cursos, convenções, congressos, encontros? Era preciso alterar toda a estrutura familiar para que uma produtora pudesse ficar uma semana fora de casa. O marido era obrigado a assumir seu lugar junto aos filhos, a casa e  também na terra”, exemplificou a extensionista orgulhosa das famílias que enfrentaram as dificuldades e se dispuseram a aprender e a produzir um café de qualidade. “Quem realmente aprecia e compra um bom café gosta também de uma boa história”, comentou animada.

 “O projeto foi idealizado, coordenado e desenvolvido pelo Instituto Emater, desde 2013, em doze municípios. Em cada localidade foi organizado um grupo de mulheres cafeicultoras, em parceria com a Aliança Internacional das Mulheres do Café, Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Paraná (Fetaep), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Cooperativa Cresol Ibaiti, produtora OlamCoffee, e prefeituras municipais, além de outros apoiadores”, explicou.

As cafeicultoras que participam do projeto já colhem os resultados, como melhor qualidade dos cafés produzidos, a criação do Primeiro Subcapitulo da Aliança Internacional das Mulheres do café -IWCA (InternationalWomen’sCoffee Alliance); primeiro lugar nas três categorias do Concurso Café Qualidade do Estado do Paraná, feito inédito nas 13ª edições do concurso em 2015.Em 2016, primeiro lugar em duas das quatro categorias do Concurso Café Qualidade do Paraná. Em 2015, publicação do projeto nas Boas Práticas da Agricultura Familiar no site da FAO/ONU; primeiro, segundo e décimos lugares do Concurso Nacional promovido pela ABIC em 2015; primeiro lugar em concurso regional na Feira Internacional do Café de Jacarezinho (Ficafé) na categoria café natural-micro lote em 2016.

Em 2017, além da programação do projeto, o focoé aumentar a comercialização de cafés especiais. Para isso, muitos grupos adotaram uma antiga prática na colheita do café, “o mutirão”. “Assim elas conseguem otimizar a mão de obra e separar os grão maduros “cereja” e cuidar melhor do manejo na colheita, garantindo uma bebida”, contou a extensionista.

 

Veja tambÉm: