Mercado

COTAÇÃO DO CAFÉ - N.Y. finalizou as operações nesta quarta-feira com leve alta

A bolsa de N.Y. finalizou as operações nesta quarta-feira com leve alta, a posição setembro oscilou entre a mínima de -0,70 pontos e máxima de +1,55 fechando com +0,70 pts.

 

postado em 12/07/2017 | Há 2 meses

MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.  
Sul de Minas R$ 460,00 R$ 440,00  
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 460,00 R$ 440,00 Setembro/2017 127,60 +0,70
Alta Paulista/Paranaense R$ 450,00 R$ 430,00 Dezembro/2017 131,15 +0,70
Cerrado R$ 465,00 R$ 445,00 Março/2018 134,60 +0,75
Bahiano R$ 450,00 R$ 430,00  
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Futuro 2018 - 6/7-15%cat R$ 525,00 R$ 515,00 Setembro/2017 150,80 +0,95
Futuro 2019 - 6/7-15%cat R$ 570,00 R$ 560,00 Dezembro/2017 156,45 +0,90
Dólar Comercial: R$ 3,2080      

 

O dólar comercial fechou em queda de 1,40%, cotado a R$ 3,2080, após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido condenado, em primeira instância, a nove anos e meio de prisão. É a quarta baixa seguida e o menor valor de fechamento do dólar desde 17 de maio (R$ 3,1340). Também influenciou o otimismo com o cenário interno, após a vitória do governo  com a aprovação da reforma trabalhista. O mercado continuava apostando que, com ou sem o presidente, a agenda de reformas deverá prosseguir, uma vez que a atual equipe econômica poderia continuar mesmo com outro assumindo a Presidência do país. No exterior, BC dos EUA No exterior, ajudou na queda do dólar nesta sessão o discurso da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, de que não será preciso elevar tanto os juros nos EUA. Taxas mais altas na maior economia do mundo têm potencial para atrair recursos hoje aplicados em outros mercados, como o brasileiro.

Os estoques privados de café da safra 2016 eram de 9,86 milhões de sacas de 60 kg no dia 31 de março passado. O volume declarado neste ano é 27,4% inferior ao levantamento do fim da safra 2015, quando o estoque privado registrado era de 13,59 milhões de sacas. A pesquisa é da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada nesta quarta-feira. Esse estudo era aguardado pelos participantes do mercado de café, principalmente considerando que o estoque do governo está praticamente zerado. A frustração de safra nos últimos anos, por causa de adversidades climáticas, em particular no Espírito Santo, que teve quebra na safra de conilon, reduziu a oferta de café no Brasil, maior produtor e exportador global e segundo principal mercado consumidor. Conforme a Conab, neste ano, o café do tipo arábica corresponde a 90% do total do café apurado, com estoque de 8,87 milhões de sacas. O conillon representa apenas 10% do estoque privado levantado, com 994,8 mil sacas. A Região Sudeste, líder na produção nacional, abarcou 90,7% do estoque total brasileiro. Estado com a maior produção do país, Minas Gerais responde por 78% dos estoques nacionais atuais, sendo 7,67 milhões de sacas de arábica e 20,2 mil sacas de conilon. O Espírito Santo, maior produtor de conillon, tem 7% dos estoques do país – 487,49 mil sacas de conilon e 162 mil sacas de arábica. Os dados foram fornecidos espontaneamente por produtores de todo o País. A pesquisa é realizada anualmente pela Conab para conhecer o estoque final de cada safra. Neste ano foram consultados 931 armazenadores, responsáveis por 1.495 armazéns participantes. Fonte: estadão Conteúdo via ISTOÉ.

 
Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini

 

Veja tambÉm: