Produção

Produtores de Honduras exportam cada vez mais cafés especias

Segundo a Associação Nacional de Café dos EUA (sigla NCA em Inglês), os millennials consomem 44% do café gourmet vendido por milhares de estabelecimentos no país.

 

postado em 29/12/2016 | Há 2 meses

Tradução: Jhonatas Simião

Graças aos millennials (também chamada geração Y ou geração da Internet), que consumem mais café especial nos Estados Unidos, os produtores hondurenhos estão vendendo mais grãos com atributos excepcionais produzidos em suas fazendas localizadas a uma altitude de mais de 1.300 metros acima do nível do mar.

Segundo a Associação Nacional de Café dos EUA (sigla NCA em Inglês), os millennials consomem 44% do café gourmet vendido por milhares de estabelecimentos no país.

O estudo "Millennials: a linguagem do café e o papel da sustentabilidade", realizado neste ano pela Datassential, com sede em Chicago, indica que quatro em cada 10 jovens (com idade entre 18 e 34 anos) preferem consumir café sustentável, com certificação de comércio justo e selo de origem, orgânico ou com atributos especiais.

O comportamento da geração Y nos Estados Unidos é semelhante ao observado na Europa,  estimam produtores de Honduras.

"O mercado está se abrindo lentamente a cada ano e os clientes exigem mais o café especial", disse Omar Rodriguez, gerente da Capucas Coffee Cooperative Limited (Cocafcal).

Rodriguez aponta esse comportamento "como um fenômeno", porque nesses países "há jovens que educam outros jovens para beber um bom café".

O aumento no consumo de café nos Estados Unidos e na Europa tem beneficiado as exportações Cocafcal. Em 2015, eles venderam cerca de sete mil quintais (5,36 mil sacas de 60 kg) de café especiais para clientes. Este ano, cerca de 10 mil quintais (7,66 mil sacas).

O Cocafcal vende cafés especiais para empresas globais, como a Starbucks, e também para outras empresas como a American Ozo Coffee and Irving Farm.

Em suas lojas nos Estados Unidos, a Ozo Coffee promove o café orgânico especial produzido por Pedro Romero (das variedades Caturra, Catuai, Bourbon) são produzidos em uma fazenda localizada em 1.350 metros acima do nível do mar.

Na publicidade, a Ozo Coffee afirma que Romero "é um agricultor meticuloso e consumado que produz café muito saboroso em sua fazenda Los Pepitos". "Compramos o café de Pedro desde 2011 e foi o primeiro produtor que veio nos visitar em Colorado. Sua prolífica experiência e conhecimento tem ajudado a produzir um café excelente ano após anos e seu café é de qualidade como sempre", reafirma a Ozo Coffee seu site (ozocoffee.com).

O café de Romero, que é um dos mil membros da Cocafcal, tem uma acidez floral, aroma de baunilha e outras notas com sabor de maçã e canela.

Anjo Paz, presidente da Specialty Coffee Association of Honduras (Aceh), acredita que "em todas as regiões do país estão produzindo cafés especiais. Eles são cultivados a uma altitude acima de 1.300 metros e são vendidos em microlotes".

"Com o café especial, o produtor tem várias vantagens. O preço recebido é o dobro do café normal e tem uma relação direta com o comprador. O comprador vem a Honduras, visita as fazendas, observa a qualidade e também faz recomendações", disse ele.

Pedro Rodriguez, presidente da Aceh, observa que "Honduras também está aumentando a demanda" e acredita que "há uma tendência de tomar melhores cafés".

Fonte: La Prensa

Leia a íntegra no Notícias Agriculas

 

Veja tambÉm: