Tecnologias

Variedades de café mais produtivas apresentam menor ciclo bienal nas safras

A lavoura cafeeira cultivada a pleno sol tem a característica de produzir bem numa safra e, logo, sobrevém uma baixa safra no ano seguinte, o que se conhece por ciclo bienal de produção.

 

postado em 07/09/2016 | Há 5 meses

Por José Braz Matiello, Saulo R Almeida e Iran B. Ferreira – engenheiros agrônomos da Fundação Procafé e C.H. S. Carvalho – pesquisador da Embrapa-Café

A lavoura cafeeira cultivada a pleno sol tem a característica de produzir bem numa safra e, logo, sobrevém uma baixa safra no ano seguinte, o que se conhece por ciclo bienal de produção.

Assim acontece porque a alta demanda de nutrientes, minerais e orgânicos, pelos frutos de uma carga alta, reduz o crescimento da ramagem nova, onde vai haver o florescimento e a frutificação para a safra próxima.

No melhoramento genético, a pesquisa busca variedades mais produtivas e vigorosas, pois o vigor é a característica que favorece o equilíbrio da produtividade, entre os anos de alta e baixa safra.

No entanto, uma observação nova tem sido feita quando são analisados diferentes materiais genéticos por uma série maior de safras. Algumas variedades, aquelas que se mostram mais produtivas na média de um período mais longo, são as que apresentam maior constância produtiva entre safras. Por isso, pode-se dizer até que as variedades mais produtivas são aquelas que produzem mais nos anos de safra baixa.

Nos diferentes genótipos de cafeeiros que têm sido ensaiados, na Fundação Procafé, três vem se destacando no aspecto de maior uniformidade entre safras - são seleções de arara, guará e acauã. Pode-se observar esse comportamento na comparação desses materiais, com os padrões, em três ensaios, conforme tabela 1. Verifica-se que, nas três primeiras safras os padrões de catuaí vermelho produzem de modo semelhante aos novos materiais. A partir da 4ª safra, enquanto o catuaí começa a apresentar safras bienais, as novas variedades mantém maior uniformidade entre safras anuais. Assim, os diferenciais que mais afetam a média são aqueles observados em anos de safra baixa.

Embora haja, nos últimos anos, aumento no uso de podas para programar ou zerar a safra, esta orientação não afeta a viabilidade de uso de materiais de safras maiores, pois com sua maior capacidade produtiva também nesse sistema trarão vantagem. Podem até alongar a necessidade da poda, em vez de cada dois para cada três anos, alcançando, assim, médias mais altas.

Tabela 1- Comparativo de produtividades em safras sucessivas entre variedade padrão (catuaí) e novos materiais genéticos, Varginha-MG, 2016

Tabela: Procafé


Foto: Procafé


Cultivar arara, com produtividade de 68 scs/ha e o catuaí - safra de 2015, em ensaio em São Gotardo (Coopadap – Procafé)


Foto: Procafé


Com três sacas/há - safra de 2015, em ensaio em São Gotardo (Coopadap – Procafé)

Foto: Procafé


Cultivar guará, com 51 scs/ha, evidenciando a vantagem produtiva dos 2 novos materiais, em anos de safra baixa - safra de 2015, em ensaio em São Gotardo (Coopadap – Procafé)

 

Veja tambÉm: