Produção

Sindicato rural dos produtores de Muzambinho integra projeto nacional de qualidade de cafés no pós colheita

Quais os melhores cafés da sua propriedade?

 

postado em 01/05/2016 | Há 10 meses

Valéria Vilela

Sindicato rural dos produtores de Muzambinho integra projeto nacional de qualidade de cafés no pós colheita
Descascados ou naturais, quais as melhores cultivares e talhões para cada processo? Para responder a estas perguntas surgiu o projeto da coffee intelligence - especialistas em pós-colheita e qualidade de cafés, coordenado por Bruno Ribeiro.

O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Muzambinho, Rodrigo Machado, aderiu ao projeto. Entedemos que o monitoramento da qualidade de cafés desenvolvido pela coffee desde 2010, têm sido adotado por propriedades em todas as regiões produtoras do brasil, e os cafeicultores de muzambinho tem uma oportunidade única de estarem envolvidos no projeto que tem como objetivo encontrar as joias dentro da lavoura, ou seja produzir micro lotes valiosos no mercado consumidor, ressalva.

Os cafeicultores de Muzambinho foram a areado conhecer o projeto de microlotes de café especiais. Coordenado pelo professor Virgílio Anastácio Da Silva do Necaf, da Ufla e pelo especialista em cafes especiais Bruno Ribeiro a iniciativa é do sindicato rural dos produtores Para conhecer o preparo dos microlotes os produtores foram ate a fazenda , que já esta há um ano no projeto de qualidade no pós colheita.

Muitos lotes campeões, cafés especiais são garimpados antes da colheita, objetivando decisões quanto ao processo, levantamento do histórico da qualidade e estratégias de mercado, explica Mariza Contrera, que junto com o marido Gabriel Contrera recebe o grupo no terreiro de café da fazenda Capoeira, que esta em plena colheita.

Os cafeicultores de Muzambinho passaram a manhã em uma aula com os especialista , foi um momento de troca de informações e expeciencias, explica Raquel Souza da Muzamba Coffee. Podemos perceber que os processos de maturação, colheita e pós-colheita estão estritamente relacionados às modificações físicas e químicas que podem afetar a qualidade sensorial do café. Portanto, são fatores decisivos na escolha do momento, local, técnicas e tecnologias adequadas de execuções para se alcançar o padrão de qualidade desejado. Como explica bruno é importante ressaltar que esses parâmetros são dependentes das condições edofoclimáticas da região, informações adequadas de produção e disponibilidade de capital.

O objetivo do projeto é compreender as técnicas adequadas para produção de cafés especiais e os diferentes perfis de cafés na região do sul de minas, torna-se essencial para competitividade no mercado nacional e internacional, reforça o professor Virgilio que acompanhou o grupo. Já para Suzana Santos Passo, da Fazenda São Domingos, o projeto precisa da união dos produtores cada qual com suas particularidades de sabores, porém pouco definidas, a produção de café da região do sul de minas, a qual representa ¼ da produção mundial, necessita de ações que busquem, principalmente, durante os processos de colheita e pós-colheita, técnicas que levem à melhor qualidade do produto final. Assim ao final da visita o grupo percebeu que a cafeicultura moderna é preciso ser empresário na lavoura, com técnica, tecnologia e aplicação de linha de produção em que cada pé de café é visto com um potencial atender um tipo especifico de consumidor.

para que se atinja o máximo de qualidade, o fruto do cafeeiro deve passar por diversas etapas da produção, as quais apresentam detalhes importantes a partir do momento em que se estabelece a fase de maturação. Assim, os produtores serão informados sobre formas de colheita seletiva e ou derriça, regulagens e adequações de máquinas, implementos e equipamentos, técnicas e regulagens de máquinas para processamento é isso que passamos aos cafeicultores. Já são 28 produtores envolvivos no projeto e muzambinho conseguiu graças ao empenho pessoal do presidente do sindicato entrar este ano, e com o desenvolvimento do grupo a idéia é ampliar a participação no próximo ano para mais propriedades do município, explica bruno.

O SebraeTec financia parte do projeto e os produtores entram com uma contrapartida. Valeria Vilela viajou a convite do Sindicato Rural Dos Produtores De Muzambinho.

Por Valéria Vilela
 

Veja tambÉm: