Mais Café

Será que os "ecos das manifestações" chegaram a cafeicultura? Por Marcus Magalhaes



 

postado em 23/06/2013 | Há 4 anos

Reflexão 23/06/2013, Marcus Magalhaes


Após as fortes e até certo ponto emociantes manifestações presenciadas esta semana no Brasil, um sentimento de reflexão tomou conta de tudo e todos.

Qual lição tirar disso tudo?

Será que os "ecos das manifestações" conseguirão chegar aos ouvidos mais distantes no caso da cafeicultura?

Será que continuar a apostar no caos ou no cenário de quanto pior melhor na cafeicultura mundial é a saída para avalizar o triste momento vivido pelo setor café ao redor do mundo? Olha, como já disse aqui algumas vezes... nada pior para o rico do que o pobre ficar pobre demais.

Nada pior para países desenvolvidos que deixar os emergentes e principalmente origens produtoras, numa situação difícil e sem saída.

Certo dia um amigo me disse: " Marcus o que é pior, enfrentar um animal feroz ou enfrentar um animal manso mas acuado? Fiquei mudo e ele disse: Um animal manso e acuado.

O feroz, sabemos seu comportamento mas o manso ele cresce, fica desproporcional e com resultado no embate, sempre, incontrolável." Dentro desta observação vale uma reflexão do momento que vive a cafeicultura onde os produtores estão acuados e sem enxergar uma saída.

Digo e afirmo que isso não resume apenas para o setor no Brasil mas estende-se esta dura realidade a todos o países da América Central, Colômbia, Africanos e Asiáticos.

Já imaginaram se por apenas 24 / 48 horas todo o negócio café parar no mundo, cruzando os braços, demonstrando o grau de insatisfação que os produtores estão como relação as falsas premissas, falsos dogmas e as vezes especulações, sem precedentes.

Seria um movimento legítimo e mostraria claramente que o mundo não pode tratar quem produz alimento como se fosse um ser a margem de todo o processo.

 

Veja tambÉm: