Tecnologias

Ministério da Agricultura vai colher mais de 2 mil amostras de vegetais para conferir se estão dentro da conformidade

 

postado em 23/01/2012 | Há 5 anos

23/01/2012
 
Qualidade como palavra de ordem 
Ministério da Agricultura vai colher mais de 2 mil amostras de vegetais para conferir se estão dentro da conformidade
 
O Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC/Vegetal), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, já está em campo para orientar os produtores no sentido de melhorar a qualidade de frutas, hortaliças e grãos oferecidos ao mercado. Nesta safra serão monitoradas aproximadamente 280 substâncias em 23 produtos, por meio da coleta de mais de 2 mil amostras de vegetais em todo o país. Entre as substâncias monitoradas estão os resíduos de agrotóxicos e os contaminantes, substâncias que podem ser prejudiciais aos consumidores, como toxinas produzidas por fungos e micro-organismos.

Abacaxi, alface, amendoim, arroz, banana, batata, café, castanha-do-brasil, feijão, laranja, limão, maçã, mamão, manga, melão, milho, morango, pimenta-do-reino, pimentão, soja, tomate, trigo e uva são as culturas monitoradas no atual ano-safra. O número de análises vem sendo ampliado a cada ano para atender às exigências do mercado interno e dos importadores, como a União Europeia.

Os últimos resultados divulgados em novembro, referentes ao ano-safra 2010/2011, demonstraram que as culturas de arroz, batata, café, feijão e tomate apresentaram resultados 100% satisfatórios. O monitoramento também mostrou alto índice de conformidade em maçãs (99,13%), mamão (97,57%) e milho (96,15%). Banana, limão, manga, melão e uva ficaram acima de 90% de conformidade. No caso dos grãos, a análise também monitora a substância aflatoxina, toxina produzida por fungos e favorecida pelo excesso de umidade. Arroz, feijão e milho não tiveram amostras fora do padrão.

O Plano Nacional de Controle teve início em 2009 e também prevê a orientação dos agricultores que comercializam vegetais com índices de substâncias nocivas acima dos limites estabelecidos ou não autorizadas para a cultura. O produtor ou beneficiador que infringe as normas recebe uma equipe de fiscais, que verifica a aplicação das Boas Práticas Agrícolas (BPAs) ou as Boas Práticas de Fabricação (BPFs). Além das campanhas educativas, os profissionais podem aplicar sanções aos infratores para evitar novas ocorrências.

De acordo com o plano haverá um aumento no número de culturas e de substâncias monitoradas nos próximos anos. Metais pesados e outros contaminantes biológicos serão analisados e o número de amostras a serem coletadas também será ampliado.

 

Risco controlado

O Ministério da Agricultura, por meio da Assessoria de Gestão Estratégica (AGE), criou recentemente a Sala de Antecipação, uma espécie de centro de monitoramento de prevenção a desastres agrícolas. A sala tem a participação de diferentes setores, do cooperativismo até entidades sindicais e representantes de governos estaduais. Com a iniciativa, o ministério pretende antecipar acontecimentos que afetam o agronegócio e evitar que crises se abatam sobre o setor produtivo brasileiro, explicou o coordenador geral de Sustentabilidade Ambiental, Renato de Oliveira Brito. Os interessados em participar da sala, com sugestões, alertas e orientações, devem contatar o ministério pelo telefone (61) 3218-2644. 

 

Veja tambÉm: