Mercado

COTAÇÃO DO CAFÉ - Mercado cafeeiro encerra as operações nesta sexta-feira em campo positivo, em N.Y

 

postado em 29/04/2011 | Há 6 anos

Infocafé de 29/04/11    

 
MERCADO INTERNO
 
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$ 550,00 R$ 530,00  
Contrato N.Y.
Fechamento 
Variação
Mogiano R$ 550,00 R$ 530,00 Maio/2011 299,35 +0,75
Alta Paulista/Paranaense R$ 540,00 R$ 520,00   Julho/2011 299,85 +0,65
Cerrado R$ 560,00 R$ 540,00 Setembro/2011 302,50 +0,65
Bahiano R$ 540,00 R$ 520,00    
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento 
Variação
Cons Inter.600def. Duro R$ 310,00 R$ 280,00 Maio/2011 389,85 +0,60
Cons Inter. 8cob. Duro R$ 320,00 R$ 310,00   Setembro/2011 373,05   0,00
Dólar Comercial: R$ 1,5740 Dezembro/2011 373,75 -1,25

O mercado cafeeiro encerra as operações nesta sexta-feira em campo positivo, em N.Y. a posição julho variou entre a mínima de -4,50 e máxima de +2,30 pontos, fechando com +0,75 pts. O mercado vem observando a  safra intermediária colombiana, mitaca, que está prejudicada por conta das chuvas e além disso, uma colheita menor no Brasil e a depreciação do dólar devem dar suporte.
 
O dólar finalizou o dia com queda de 0,38% cotado a R$ 1,574. O mercado cambial foi influenciado hoje pelo enfraquecimento do dólar no exterior e pela formação da taxa PTAX, que será usada na liquidação dos contratos futuros de dólar de maio. O leilão de swap cambial reverso feito pelo Banco Central, serviu para amenizar a queda da moeda dos EUA.  No leilão de swap hoje o BC colocou no mercado 25.800 dos 30 mil contratos ofertados. O total vendido equivale a US$ 1,267 bilhão e que vencem em 1º de agosto próximo.
O Banco Central também realizou dois leilões de compra de dólar no mercado à vista. Pela manhã, a taxa de corte das propostas foi definida em R$ 1,5737 e no fim do pregão, a compra se deu com corte de R$ 1,5707.
A desvalorização do  dólar no exterior se deve às incertezas que rondam a economia americana. O euro, por sua vez, tem se sustentado em alta devido à perspectiva de uma nova elevação dos juros básicos na Europa. Na próxima semana, o Banco Central Europeu se reúne para definir a política monetária.
 
O aumento do consumo de café no México contribuiu para a queda de 20% nas exportações do produto durante os primeiros seis meses da temporada, de acordo com o ministro da agricultura, Francisco Mayorga. "O mercado doméstico está crescendo, portanto retivemos parte de nossa produção", disse à imprensa. Autoridades do setor de café no México vêm estimulando o consumo doméstico do produto mexicano, inclusive destacando os benefícios do café para a saúde. O ministro espera que a produção da temporada 2010/11 seja 5% menor do que a do ciclo anterior, alcançando 4 milhões de sacas de 60 kg. Inicialmente, autoridades esperavam que o país fosse produzir 5% mais café nesta temporada, mas a previsão foi revisada para assimilar danos causados por enchentes e excesso de calor no início da temporada. As autoridades avaliam que as exportações de café se estabilizarão conforme a temporada continuar. O ciclo corre de outubro a setembro. As informações são da Dow Jones. 
 
Entre os dias 02 e 06 de maio será realizada em Ribeirão Preto, a  18ª edição da Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow) que deve superar R$ 1 bilhão em negócios e receber 145 mil visitantes. No ano passado, com a retomada das cotações das commodities agrícolas após a crise de liquidez de 2009, a feira gerou R$ 1,15 bilhão em negócios, número que deve ser igualado e superado em 2011, na avaliação otimista dos organizadores.
Considerada a principal feira de tecnologia agrícola do Hemisfério Sul, a Agrishow reunirá 730 expositores de 45 países em uma área de 1 milhão de metros quadrados, dos quais 180 mil metros quadrados são para exposição de máquinas e implementos. Essa área estática é 15% maior do que a da edição anterior da feira. 
A abertura da Agrishow, na segunda-feira, tem prevista a presença do ministro da Agricultura, Wagner Rossi, e do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, além das principais lideranças das entidades que organizam a feira e do agronegócio brasileiro. Rossi deve ser acompanhado de uma comitiva de ministros da Agricultura de países vizinhos da América do Sul. 

Durante a visita na Agrishow, Alckmin assinará o termo de concessão por mais 30 anos ao setor privado do uso da área pública onde ocorre a feira há 18 anos. "Com a decisão, expositores e organizadores poderão fazer obras de infraestrutura no local, o que antes era impossível, já que a cessão da área era por apenas quatro anos", disse Cesário Ramalho de Silva, presidente da Agrishow e da Sociedade Rural Brasileira (SRB). Também durante a Agrishow, na  terça (3) e quarta-feira (4) está prevista a votação, na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), das mudanças no Código Florestal Brasileiro, antiga demanda dos agricultores e pecuaristas.
Além da exposição de máquinas, os visitantes da Agrishow poderão ver as mais de 800 demonstrações de campo com os equipamentos testados nas áreas de dinâmica da feira. Os ingressos para a Agrishow custam R$ 24, mas há pacotes para os visitantes em grupos, incluindo estacionamento. As informações podem ser obtidas no site da feira (www.agrishow.com.br).

 

Infocafé é um informativo diário, da Mellão Martini
 

Veja tambÉm: