Produção

Especial Região do Cerrado Mineiro - Café de Atitude: a nova estratégia da Região do Cerrado Mineiro

 

postado em 24/04/2011 | Há 6 anos

Produtores de café da Região do Cerrado Mineiro estão lançando uma estratégia inovadora focada em novas maneiras de se produzir e de se fazer negócios. A iniciativa visa o reconhecimento dos produtores e o desenvolvimento da região e tem como objetivo os novos mercados, mais qualificados, e o crescente segmento de consumidores conscientes, que exigem produtos éticos e valorizam a origem, a alta qualidade e a rastreabilidade dos produtos que consomem.

Trata-se de uma nova postura, capitaneada pela Federação dos Cafeicultores do Cerrado e que conta com o apoio do Sebrae-MG. A estratégia baseia-se no conceito ‘Café de Atitude’ e pretende, entre outras ações, atrair investimentos de empresas, torrefadoras e cafeterias, do Brasil e do exterior, para parcerias em projetos individuais ou com grupos de produtores, relacionadas ao desenvolvimento socioeconômico e ambiental da região.

“A qualidade da nossa produção já é reconhecida e valorizada no mercado tradicional exportador e importador, que inclusive paga preços superiores pelos nossos cafés”, diz Francisco Sérgio de Assis, presidente da Federação, lembrando que 70% da produção anual (em média 5 milhões de sacas) são vendidos para torrefadoras de países da Europa, para os Estados Unidos e Japão. “O que pretendemos agora é buscar, junto aos consumidores e novos mercados, o reconhecimento da Região do Cerrado Mineiro como origem produtora de cafés éticos, produzidos em um terroir singular e garantidos por indicação geográfica”, acrescenta o presidente.

A meta é ambiciosa: consolidar uma nova percepção para a Região do Cerrado Mineiro, que é a de ser “Uma Região de Atitude para o Novo Mundo do Café”. A proposta é que o consumidor perceba que não está adquirindo apenas um café, mas toda a experiência e a história da região e de suas comunidades. É uma estratégia de longo prazo, que será realizada a partir de parcerias empresariais e que exige o engajamento dos cafeicultores da região na produção e no desenvolvimento do ‘Café de Atitude’. Exatamente por isso, os investimentos a serem feitos dependerão da formatação de cada uma das parcerias.


O produto ‘Café de Atitude’

O ‘Café de Atitude’ incorpora todos os aspectos produtivos, sociais e culturais da Região do Cerrado Mineiro. Por isso, é um produto ético, rastreável e de alta qualidade:

Ético: cafés produzidos com práticas sustentáveis, que gerem desenvolvimento, reconhecimento e valor compartilhado para os produtores, para a Região do Cerrado Mineiro e para os parceiros estratégicos.

Rastreável: cafés produzidos por um processo de produção único, tendo como base os atributos singulares da indicação geográfica protegida da Região do Cerrado Mineiro, comprovados e garantidos pela certificação de origem, sustentabilidade e qualidade.

Alta qualidade: cafés diferenciados, produzidos com origem preservada em um terroir singular que caracteriza a Região do Cerrado Mineiro.

Pioneirismo e empreendedorismo como vocação

De acordo com o superintendente da Federação, José Augusto Rizental, as mudanças que estão sendo feitas são profundas, conceituais, organizacionais e estruturais. O nome Café do Cerrado, por exemplo, passa a ser substituído pela nomenclatura oficial da Indicação Geográfica: Região do Cerrado Mineiro. “Não é apenas uma simples mudança de nome”, diz. “A inclusão da palavra ‘Região’ personifica e incorpora os produtores e a própria história da cafeicultura no Cerrado Mineiro, que começou na década de 1970 por meio do plano do governo de incentivo à exploração de novas regiões com condições climáticas e geográficas favoráveis para a cultura”.

Rizental destaca a diversidade da formação da cafeicultura no Cerrado Mineiro: “Pessoas de vários perfis e vindas de diferentes regiões ocuparam a região. Foram a atitude pioneira e empreendedora e a capacidade de união dessas pessoas tão diversas que permitiram que a nossa região, que não tinha nenhuma tradição em café, mostrasse sua vocação e ganhasse destaque na cafeicultura brasileira em pouco mais de quatro décadas. Este é o nosso DNA: diversidade e unidade, pioneirismo e empreendedorismo”.

Além da nova denominação, a estratégia também inclui o resgate, junto aos 4.500 produtores e às comunidades da região, das grandes conquistas obtidas desde 1992, quando foi criado o Caccer – Conselho das Associações dos Cafeicultores do Cerrado (atual Federação dos Cafeicultores do Cerrado).

“Estamos buscando tangenciar em torno do conceito ‘Café de Atitude’ as inúmeras ações pioneiras realizadas ao longo desses anos”, explica Rizental. “Fomos a primeira região de café no mundo a conquistar o certificado de indicação de procedência e a primeira região produtora de café do Brasil a obter a certificação de gestão de qualidade ISO 9001”, exemplifica. Foram também os primeiros a estampar uma marca de uma região na sacaria de café (onde tradicionalmente se imprime o símbolo do Café do Brasil), e a criar um programa de certificação para o café, que garante a origem e a qualidade dos produtos.

O desenvolvimento da estratégia

O projeto de branding da região foi desenvolvido e estruturado durante 2010, pela Be Consulting, consultoria de gestão e inovação. O processo foi conduzido em três fases com duração total de 8 meses. Um time de projeto foi escolhido estrategicamente entre as lideranças das entidades que compõem a Federação dos Cafeicultores do Cerrado. Este time acompanhou, discutiu e aprovou todas as atividades realizadas em cada fase. Primeiro, foram conduzidas pesquisas internas e externas, além de análises de mercado e de tendências de comportamento dos consumidores. Na segunda etapa, foi definida uma plataforma estratégica para a região, juntamente com as ações organizacionais e estruturais a serem realizadas. Por último foi criada uma nova expressão para a marca da região em termos verbais, visuais e comportamentais.

Em dezembro de 2010, na Reunião Anual das Lideranças da Região Cerrado Mineiro o projeto de branding foi apresentado e aprovado. Entre as ações está a nova identidade de marca da região, “que é a expressão do nosso propósito, da nossa visão, de como queremos ser percebidos no futuro”, explica Rizental, acrescentando que, por isso, o logotipo expressa os três pilares de ação que dão suporte à estratégia de marca da região: integração, desenvolvimento e conexão.

Muito além de um logotipo, outra inovação da região

Durante o processo de construção da estratégia, o time de projeto da região entendeu que uma marca não é só um logotipo, um slogan ou apenas um instrumento de marketing e comunicação. “Uma marca é a visão, o propósito que vai direcionar, inspirar e diferenciar a Região do Cerrado Mineiro no futuro”, define Paulo Vischi, diretor de estratégia da Be Consulting. O projeto de branding da Região do Cerrado Mineiro utiliza a marca como abordagem de gestão, e não apenas comunicação. “Temos a ideia central – ‘Café de Atitude’ - influenciando em todos os aspectos do desenvolvimento da região, na elaboração e segmentação dos produtos e serviços, na estruturação dos processos de produção e certificação, na maneira de pensar e agir dos produtores e das lideranças e, por fim, na construção de uma imagem verdadeira e coerente para a região”, explica Paulo Vischi.

A Região do Cerrado Mineiro é a primeira Indicação Geográfica no Brasil a ter um projeto de Place Branding (estratégia de marcas para países, cidades e regiões). “Esta é uma abordagem inovadora e sofisticada, pouco conhecida no Brasil e até no exterior, e vai além da criação de um logotipo ou de uma campanha de marketing. É uma evolução no entendimento e na utilização de uma marca para construir valor compartilhado e diferenciação para uma região, cidade ou país. O Sebrae-MG já havia percebido isso, investiu e acreditou que isto era uma necessidade da região”, explica Priscilla Lins, gerente de Agronegócios da instituição.

Segundo Paulo Vischi, o primeiro erro que se comete ao trabalhar a estratégia de uma região é tratá-la como um produto de consumo e investir apenas em uma campanha publicitária, que termina e simplesmente some. O foco da estratégia de Place Branding deve estar na definição de uma visão de futuro relevante que traga desenvolvimento sustentável e, portanto, diferencial para a região. “O mais importante não é saber o que a região é hoje, mas sim o que ela pode ser no futuro, e para isso é necessário traçar um caminho, uma estratégia e ações para construir este futuro. É a diferença entre ter uma missão ou estar em uma missão” afirma Vischi.

“Muito se fala em agregar valor. Só que é preciso, primeiramente, criar este valor antes de capturá-lo. É um processo de construção a longo prazo que será feito com ações organizacionais e estruturais verdadeiras, direcionadas pelo nosso propósito, e não apenas com marketing”, explica Rizental.

Sobre a região, o potencial e a geografia

O Cerrado Mineiro é a única região produtora de café no Brasil que possui certificação de origem com base na sua Indicação Geográfica. Hoje, cerca de 220 fazendas da região estão certificadas. Elas respondem por 20% da produção, o equivalente a 700 mil sacas.

Toda a estratégia visa influenciar a evolução da atividade cafeeira e envolver os 4.500 produtores dos 55 municípios que integram a indicação geográfica Região do Cerrado Mineiro, que se destaca tanto pela alta qualidade dos seus cafés quanto pela sua alta produtividade: em 2010, de acordo com levantamento de safra realizado pela Conab, a colheita foi de 34,84 sacas por hectare, uma das mais altas de todas as regiões brasileiras, superando até mesmo a média do próprio Estado, maior produtor do Brasil, que ficou em 24,99 sacas por hectare.

Com safras médias em torno de 5 milhões de sacas, a região planta principalmente café arábica das variedades Catuaí e Mundo Novo. São cafés que, em função do clima ameno, do solo, dos métodos de cultivo e do plantio feito em altitudes que variam de 800 a 1.300 metros, resultam em uma bebida com identidade única, com notas de aroma intenso, variando de caramelo a nozes, delicada acidez cítrica, com leve toque de laranja, e sabor adocicado com finalização achocolatada de longa duração (aftertaste).


Tempo de Comunicação – Abril/2011
Jorn. Resp: Marília Moreira (MTb 11.381) - Contato: Eduardo Buitron
Fone/fax: (11) 3868-4037 - tempocom@uol.com.br

 

Veja tambÉm: