Mercado

Grupo café colombiano vê safra muito boa nas principais áreas

 

postado em 25/02/2011 | Há 7 anos

Colômbia, o segundo maior produtor de grãos de café arábica, disse florescimento nas últimas semanas nas principais áreas de crescimento vai garantir uma \"muito boa\" colheita final do
ano.

produção de fim de ano vai se recuperar nas províncias mais importantes de Antioquia, Quindío, Caldas e Risaralda, garantindo a colheita anual vai superar no ano passado 8,9 milhões de sacas, Nacional da Colômbia Federação de Cafeicultores Chief Executive Officer Luis Genaro Muñoz disse em entrevista em Bogotá .

\"A produção está lá\", disse ele ontem. \"Eu francamente não dormiu até sexta-feira. Sexta-feira e sábado, o florescimento foi concluída \"nas áreas centrais de crescimento, disse ele.
chuvas acima da média ferido cafeeiro no ano passado, provocando uma queda nas exportações e um aumento nos preços. Café dobrou no ano passado, tornando-o o segundo melhor resultado entre os 22 produtos controlados pela Lista Bloomberg Futuros CRR.

Café arábica para entrega em maio ganhou 1,35 dólar, ou 0,5 por cento, ao acordo em $ 2,7435 a libra em duas horas na ICE Futures, em Nova York, EUA. O preço anterior diminuiu tanto como 2,65 centavos de dólar para 2,7035 dólares.

Produção na Huíla, na província de segunda maior da Colômbia depois de Antioquia crescendo, vai subir nos primeiros seis meses do ano, disse Munoz. Huila, que produz grãos fabricado
por empresas como a Starbucks, e outras áreas próximas crescente teve chuvas menos severas do que as áreas mais ao norte, onde a precipitação em alguns casos, foi quatro vezes por ano média dos últimos, disse Munoz.

Parado recuperação

Danos nas áreas ao ano passado florescimento vai causar uma recuperação da cultura nacional a falhar no primeiro semestre, disse ele. Colômbia tem como objetivo aumentar a produção, uma vez que acelera os planos deste ano para semear mais variedades de café resistentes à doença, disse Munoz. Uma doença causada por fungo, conhecida localmente como roya, que ataca plantas provavelmente atingiu o pico no ano passado, disse Munoz.

No ano passado, as exportações deslizou por 78 mil sacos para 7,82 milhões de sacas. Saída em 2010 ficou aquém dos 9,5 milhões de sacas previstas para outubro pela federação. Um saco pesa 60 kg (132 libras). O Brasil é o maior produtor de grãos arábica.
 

Veja tambÉm: