Mais Café

Ação e reação Por Wagner Pimentel

 

postado em 23/01/2011 | Há 6 anos

O mercado desta semana fez o oposto da semana passada, noticias que vinham das economias da China, Comunidade Européia e EUA deram o tom, o mercado como sempre sensível a todas as estas noticias trabalhou andando de lado e veio pela segunda vez testar a base da consolidação em 230,00, onde eu acreditava que estariam as ordens escondidas de vendedores , quando o mercado bateu abaixo de 230,00 o que vimos foi uma verdadeira luta entre compradores e vendedores , as ordens de venda vieram, mas as de compra também trazendo muita volatilidade, os vendedores dentro de um cenário altista tiraram a ordens e vimos o mercado reagir que da mínima de 226,50 do dia 20/01/2011 ate máxima de 241,80 do 21/01/2011 foram 9 horas de contra ataque que mostrou a grande força deste mercado.

A expansão da economia principalmente da China, mas de outras economias como Brasil, mostra uma nova realidade dos mercados não só do café, mas de todas as commodities, temos mais consumidores com dinheiro para comprar o que venho falando já há bastante tempo, e estes novos tempos terá que ser estudado em separado nos próximos anos, pois simplesmente olharmos para o passado não nos dará há noção deste mercado que bate a porta.

O algodão não para de subir a arroba do boi não para de subir, o café não para de subir, e ainda não chegamos ao preço que desestimule ao consumo, ainda tem muita gordura pra queimar, mesmo porque o mercado das commodities ficou estagnado e manobrado por décadas pela economia dominadora dos EUA e Europa, agora com grandes consumidores aparecendo com dinheiro para comprar, começam a ameaçar estas economias, e a comprar produtos que antigamente tínhamos que ficar pedindo favor para que fossem consumidos, mesmo sabendo que precisam de nossa agricultura.

O cenário é altista, o consumo está alto os estoques baixos e o clima não esta perdoando ao produtor.

Nas próximas semanas o vencimento das opções destas commodities na Ice bolsa de mercadorias de Nova Iorque trará novamente à tona a recompra das posições dos vendidos que vêm trocando de posição a cada vencimento rolando um prejuízo e aumentando o tamanho das margens por não poder mudar de lado, fazendo a cada vencimento um rali, um novo patamar de preço que depois de rompido não volta mais, 170/180 cents de dólar por libra peso era sonho agora já é passado para o nosso café.

A exportação brasileira em uma chamada safra recorde não teve a qualidade esperada, mas não ficou empoeirando as prateleiras das empresas exportadoras o que nos leva a crer que uma super safra hoje teria que ser acima de 60 milhões de sacas, pois para uma exportação de 33 milhões de sacas e um consumo de 19 milhões de sacas conforme dados das fontes específicas nos leva a crer que 52 milhões é simplesmente o consumo e como temos a bienualidade das lavouras cafeeiras, sabemos que os estoques das empresas torrefadoras não será reposto com muita facilidade.

Com o mercado se dado por vencido acreditando em alta, com produtores acreditando em alta com comerciantes acreditando em alta fica difícil acreditar em baixa, o mercado fez uma correção lateral desde o final do mês de dezembro de 2010 e agora nos parece pronto para novos alvos.

Nosso trade se iniciara depois do mercado romper o topo anterior com confirmação com alvos em 267,40 cents de dólar por libra peso na Ice e 328,00 dólares por saca na Bmf.
Vamos aguardar a ação e reação deste mercado apaixonante.

Wagner Pimentel
WWW.cafezinhocomamigos.blogspot.com

 

Veja tambÉm: