Mercado

Após seca, agora é o excesso de chuvas que afeta cafeicultores em SP

Como a chuva dificultou a tomada de alguns cuidados, incidência de pragas aumentou no cafezal

 

postado em 23/01/2011 | Há 7 anos

PLANTÃO
19/01/2011 

Kellen Severo | Santo Antônio do Jardim (SP)

A seca, que atingiu a região na metade de 2010 e prejudicou os cafezais da região de Santo Antônio do Jardim, no interior paulista, deu lugar a outro problema no começo de 2011. Agora, o excesso de chuva aumentou o risco da incidência de pragas nos cafezais.

Em um mês, choveu mais de 400 mm em 18 dias, quando o normal seria 300 mm. Com tanta água, algumas pragas começaram a aparecer no cafezal. Entre as mais comuns, estão a broca e a ferrugem.

– A ferrugem pode prejudicar de uma maneira indireta, causando a desfolha do cafezal. Conseqüentemente, diminui a granação do fruto deste ano e prejudica a colheita da próxima safra – explica o engenheiro agrônomo César Fuliaro.

Fuliaro conta que, com a broca, o dano é mais direto.

– O produtor perde na quantidade, no peso e também na qualidade deste café, que hoje em dia é muito importante – afirma.

Chuvas dificultam pulverização

Os cuidados básicos, como a vistoria visual, são realizados normalmente, mesmo em tempo chuvosos. Mas outros procedimentos só podem ser feitos em dias secos. Para o cafeicultor Pedro Roque Schanavachi, enquanto não parar a chuva, não se pode pulverizar nem adubar, uma vez que o trator sequer chega à lavoura.

– A chuva foi benéfica. Só que agora precisamos de sol para fazer pulverizações necessárias – diz Schanavachi.

Mas não basta o sol aparecer algumas horas. É preciso no mínimo um dia inteiro sem chuva para que os defensivos façam efeito e não sejam levados pela água.

– O agricultor, não tendo a oportunidade de entrar na lavoura para fazer a pulverização, vai ter cada vez mais prejuízos em relação a pragas – acredita Fuliaro.

A boa notícia é que, apesar da preocupação com as pragas e doenças nesta safra, a chuva já melhorou a condição das plantas e na florada do ano que vem a produtividade deve ser melhor.

CANAL RURAL
 
 

 

Veja tambÉm: