Mercado

Mercado de café ficará ainda mais apertado no próximo ano, acredita Néstor Osorio

 

postado em 24/09/2010 | Há 7 anos

O diretor-executivo da Organização Internacional do Café (OIC), Néstor Osorio, acredita que o mercado ficará ainda mais apertado no próximo ano. Atualmente, a principal preocupação é se a oferta será suficiente para dar conta da demanda. Osorio lembrou que, em 2011, a produção brasileira apresentará ciclo negativo e as projeções apontam para queda entre 15% e 20% na oferta do País.

Além disso, condições adversas de clima estão afetando as plantações no Vietnã. A safra da Colômbia pode ter alguma recuperação, mas não será suficiente para compensar a retração nos demais produtores. \"O mercado está muito nervoso, com muita movimentação e especulação\", disse há pouco, em entrevista coletiva na se de da OIC, em Londres. A entidade estima produção mundial entre 133 e 135 milhões de sacas de 60 kg de café para 2010/2011. A estimativa para o consumo é de 130 a 132 milhões de sacas. Essa relação puxa os preços do café, alimentados também pelo dólar fraco.


O setor passou por dois anos seguidos de déficit na Colômbia, se m produto similar capaz de fazer a substituição no mercado. \"Os estoques estão sendo usados\", reforçou Osorio. Segundo ele, o consumo também está dinâmico e mesmo a pequena queda registrada durante a crise não foi suficiente para reverter a tendência de alta. Nos últimos dez anos, a demanda por café foi elevada em 25 milhões de sacas. \"A demanda continua muito forte. A grande preocupação é saber como manter a oferta de café.\" 

Embora cite a especulação como fator a pesar sobre o mercado, Osorio disse que a OIC não qualifica a atividade de investidores privados no setor. Ele também não quis manifestar opinião sobre a nova legislação proposta na Europa para conter a especulação. \"Não temos capacidade de determinar se a política de controle dos derivativos é apropriada ou não.\"
 

Veja tambÉm: