Mercado

Piraju fará Encontro Regional de Cafeicultores

 

postado em 21/09/2010 | Há 7 anos

Jornal Folha de Avaré

No próximo dia 24, a partir das 8h, a Casa da Agricultura de Piraju (CATI Regional Ourinhos em parceria com a CATI Regional de Avaré) irá lançar no 12º Encontro Regional de Cafeicultores uma “semente”, a da indicação geográfica. “Nossa região tem características próprias que devem ser aproveitadas para fazer o marketing de nossos cafés, quer sejam de terreiro ou descascado. O café é uma commodity, mas há cada vez maior procura por cafés diferenciados e o crescimento desse nicho de mercado é da ordem de 15%, 20% ao ano”, explica o chefe da Casa da Agricultura de Piraju, o engenheiro agrônomo Paulo Sérgio Vianna Mattosinho, atual presidente da Comissão Técnica de Cafeicultura da CATI, órgão da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Segundo Mattosinho, a indicação geográfica dos Cafés do Sudoeste Paulista é uma grande oportunidade de negócios para os cafés produzidos na região de Ourinhos e Avaré, que contam com uma área de 2,5 mil hectares e 2.635 propriedades produtoras concentradas nos municípios de Piraju, Tejupá, Fartura, Itaí, Taguaí, Arandu e Timburi, que possuem 69% da área cultivada e produção estimada para a atual safra em torno de 485 mil sacas de café beneficiadas (69% da produção nessas cidades). “Nossa região tem altitudes que variam de 400 a 930 metros, relevo variando de suave ondulado a forte ondulado, predominam os latossolos e argissolos, precipitação média de 1.450 mm, temperatura média de 20º C e umidade relativa de 76%, de acordo com dados da CATI e do Instituto de Economia Agrícola”, diz Mattosinho.

Todos os integrantes do agronegócio regional estarão juntos no evento e apoiando para que se possa alcançar a meta proposta. “Agradeço a todos que tiveram a sensibilidade e percepção de compreender a importância dessa iniciativa. São nossos parceiros a Cimoagro, Bayer CropScience, Fertec, Embrafós, Ubyfol, Agrofértil, Fênix, Rural Corretora de Café, Agrofito, Agrocentro, Calcário Guapirama, Palini e Alves, Vale Rei, Syngenta, SRCafé, New Holland – Tramaton, Gaudêncio  - Pinhalense, UniParts, Sebrae, Banco do Brasil, Prefeitura da EstânciaTurística de Piraju, Sindicato Rural de Piraju, Nutriplant e Câmara Setorial de Café da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento.

 

BOX

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA DOS CAFÉS DO SUDOESTE PAULISTA

Nos mercados nacional e internacional, muitos produtos são caracterizados não apenas pela marca que ostentam, mas também pela indicação da sua verdadeira origem geográfica. Esta indicação lhes atribui certa reputação, valor intrínseco e identidade própria que os distinguem dos demais produtos de igual natureza disponíveis no mercado. No transcurso da história o termo \"indicação geográfica\" foi sendo se firmando quando produtores, comerciantes e consumidores começaram a identificar que alguns produtos de determinados lugares apresentavam qualidades particulares, atribuíveis a sua origem geográfica, e começaram a denominá-los com o nome geográfico que indicava sua procedência.

Os produtos que apresentam uma qualidade única, explorando as características naturais, tais como geográficas (solo, vegetação), meteorológicas (mesoclima) e humanas (cultivo, tratamento, manufatura), e que indicam de onde são provenientes são bens que possuem um certificado de qualidade atestando sua origem e garantindo o controle rígido de sua qualidade, denominado de “indicação geográfica”, nas modalidades de “indicação de procedência” ou “denominação de origem”. Alguns exemplos envolvendo produtos de notável qualidade, certificados e identificados com indicações geográficas, são os vinhos tintos da região de Bordeaux, os presuntos de Parma, os charutos cubanos, os queijos roquefort, entre outros (GOLLO, S.S. Inovação e estratégia de cooperação competitiva: estudo de caso da indicação de procedência vale dos vinhedos - Serra Gaúcha/RS. Tese DSc.,2006).

Nesses casos, a indicação da verdadeira origem geográfica do produto adquire a configuração de um bem, agregando valor econômico e beneficiando as pessoas estabelecidas no local de produção. Desta forma, fortalece organização social e concorre para o desenvolvimento sócio-econômico da região. Mas o reconhecimento da Indicação Geográfica (IG) origina-se do esforço de um grupo de produtores ou de prestadores de serviço que se organizam para defender seus produtos ou serviços, motivados por um lucro coletivo.

 

BOX

PROGRAMAÇÃO

Inscrições e wellcome coffee (8h), abertura oficial (9h), palestra “Nutrição do cafeeiro” com o engenheiro agrônomo Luiz Bottino, da Universidade Federal de Lavras – UFLA (9h30), intervalo para almoço (11h30 às 13h), palestra “Condução do cafeeiro”, com o engenheiro agrônomo Tumoru Será, do Instituto Agronômico do Paraná – IAPAR (13h), coffee break (15h), palestra “Clima na cafeicultura” com o engenheiro agrônomo Marcelo Bento Paes de Camargo, do Instituto Agronômico de Campinas – IAC (15h30), Encerramento com sorteio de produtos (17h) e coquetel de confraternização (17h30). 

XII Encontro Regional de Cafeicultores

Espaço Happy Day - Avenida João Paulo II, 117 – Jardim Jurumirim – Piraju/SP

Casa da Agricultura de Piraju

Telefone: (14) 3351-1174

 

Texto e foto: CATI Regional Avaré/Paulo Mattosinho

Legenda da foto - Lavoura de café na região de Piraju: qualidade e origem garantida

 

Veja tambÉm: