Mercado

Café sairá ileso de seca se chuva voltar em outubro

 

postado em 21/09/2010 | Há 7 anos

21 de setembro de 2010

Os cafezais do Brasil poderão sair ilesos da onda de calor e produzir uma safra normal se a chuva prevista para outubro durar tempo suficiente, disse um especialista da Embrapa.

Depois de muitos meses praticamente sem chuvas em áreas importantes, os produtores estão preocupados com as folhas secas que caem das árvores, mas o pesquisador Antonio Guerra disse que as plantas podem se recuperar com o retorno das precipitações.

\"Se você voltar e ver aquelas árvores novamente em dezembro, elas parecerão muito melhores\", disse Guerra, examinando um pé de café quase sem folhas, que não recebe chuvas desde o meados de maio.

Mas o receio de que isto não aconteça é um dos fatores que puxou os preços do arábica para o maior valor em pouco mais de 13 anos neste mês.

As previsões indicam que chuvas mais fortes retornarão em dez dias às áreas produtoras para dar início ao processo de florada.

Guerra ressalvou, entrentanto, que o principal risco depois é o clima ficar seco novamente no período de florada.

\"Eu não me preocuparia muito com as perdas de folhas nas árvores de café, exceto se as chuvas provocarem a abertura das flores, mas forem insuficientes para o desenvolvimento dos grãos\", disse Guerra à Reuters em entrevista na Embrapa.

Segundo a Somar Meteorologia, a ocorrência do fenômeno climático La Niña, que provoca condições climáticas mais secas, poderia dificultar a chegada das chuvas em áreas produtoras de café no Sudeste em outubro.

Durante a entrevista, Guerra recebeu um telefonema de um preocupado produtor da região de Minas Gerais, a principal área produtora.

Ele queria saber se o delicado período de florada, que começa após a seca, ocorrerá com sucesso mesmo depois de um longo período de seca, praticamente se chuvas.

Guerra não vê riscos, desde que as temperaturas não superem 32 ou 33 graus Celsius e queimem as flores.

As temperaturas podem chegar a 30 graus Celsius em áreas importantes de Minas Gerais, mas no norte de São Paulo, podem atingir 34 graus Celsius. As chuvas e nuvens devem reduzir o calor, mas até lá muitas árvores já terão passado pelo periodo de florada.

Se a chuva chegar até o final do mês, será apenas uma ou duas semanas depois do período normal, mas as árvores sofreram com as poucas chuvas durante a onda de calor.

Há uma vantagem, porém. Um período de estresse hídrico tende a produzir uma safra que é colhida com mais facilidade, com a retirada de mais grãos em uma única vez, o que reduz custos e tempo de colheita.

\"Significa mais produção porque é concluída com menos frutos verdes\", disse Guerra.


REUTERS MTX RS

 

Veja tambÉm: