Mercado

Dólar fecha a R$ 1,76; Bovespa retrocede 1,84%

 

postado em 30/08/2010 | Há 7 anos

As cotações da moeda americana devem encerrar o mês de agosto em torno de R$ 1,75, praticamente no mesmo patamar do final de julho. Segundo analistas, trata-se da evidência que os agentes econômicos continuam à espera da capitalização da Petrobras, que tende a atrair um volume expressivo, mas ainda incerto, de capital estrangeiro.

A perspectivas de novas captações externas pelo setor privado também contribui para manter a taxa de câmbio sob um regime de baixa volatilidade, apesar do nervosismo predominante nas Bolsas de Valores, num cenário de temor renovado pela crise econômica americana.

Hoje, o dólar mal ultrapassou a marca de R$ 1,76 no mercado de câmbio doméstico, encerrando o expediente na marca de R$ 1,760, em leve alta de 0,39%. A menor cotação registrada no dia foi de R$ 1,753 e alguns especialistas já comentam que pode ser factível uma cotação abaixo desse nível ainda no curto prazo. Em geral, operadores acreditam que o governo pode diversificar sua atuação no mercado de câmbio caso a taxa fique abaixo desse patamar.

Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo subiu para R$ 1,880, em um avanço de 0,53%.

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) opera com perdas de 1,84%, aos 64.376 pontos. O giro financeiro é de R$ 3,38 bilhões. Nos EUA, a Bolsa de Nova York cai 1%.

Entre as principais notícias do dia, o governo americano revelou que o nível de renda dos trabalhadores locais aumentou 0,2% em julho, enquanto o nível de gastos cresceu 0,4%, acima das expectativas do mercado.

No front doméstico, a inflação medida pelo IGP-M teve variação de 0,77% em agosto, ante 0,15% em julho. O número desse mês veio bem acima das expectativas do mercado (0,67%).

O Copom (Comitê de Política Monetária) se reúne a partir de amanhã para decidir a nova taxa básica de juros do país, hoje em 10,75% ao ano. Boa parte dos analistas aposta na manutenção dos juros primários. Mas a variação do IGP-M deste mês deu força para uma corrente que ainda acredita em um ajuste para 11,25%, observando ainda que as expectativas para a inflação de 2011 subiram (conforme o boletim Focus).

JUROS FUTUROS

No mercado futuro de juros, que serve de referência para o custo dos empréstimos nos bancos, as taxas projetadas ficaram praticamente estáveis nos contratos mais negociados.

No contrato para outubro deste ano, a taxa prevista foi mantida em 10,66%; no contrato para janeiro de 2011, a taxa projetada permaneceu em 10,70%; e no contrato para janeiro de 2012, a taxa prevista avançou de 11,39% para 11,41%.

Os números são preliminares e estão sujeitos a ajustes.

Fonte: Folha Online

 

Veja tambÉm: