Consumo

Consumo de café cresce acima das expectativas das indústrias

 

postado em 29/06/2010 | Há 7 anos

Folha de São Paulo

29 de junho de 2010 

O consumo de café cresce acima da expectativa das indústrias neste ano. Previsto para evoluir 5%, deve subir 7%. Ou seja, as indústrias devem utilizar 19,5 milhões de sacas de café em 2010. Apesar do crescimento das vendas, o setor não está contente com o cenário atual.

\"O primeiro semestre está sendo marcado por baixa rentabilidade\", diz Nathan Herszkowicz, diretor-executivo da Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café). Por isso, as indústrias deverão elevar os preços de 25% a 30% no segundo semestre.

Herszkowicz explica por que as indústrias vêm perdendo margem de ganho, o que as obriga a esse aumento de preço. Primeiro, esse cenário de aperto leva as empresas a uma forte concorrência interna. Além disso, há resistência natural do varejo em aceitar novos aumentos.

O custo da matéria-prima, que mudou de patamar nas últimas semanas e vêm com aumento consistente, também é um fator decisivo para a elevação, diz Herszkowicz.

No final de maio, as indústrias pagavam R$ 150 pelo café conillon. Hoje a saca do produto está entre R$ 195 e R$ 200. Já o arábica, que custava R$ 220, está de R$ 260 a R$ 270. Demanda maior lá fora e melhora da qualidade do produto puxam os preços internos, diz ele.

Apesar do aumento, Herszkowicz não acredita em redução interna de consumo porque os valores atuais do café tiveram pouca variação nos últimos anos. Dados da Fipe indicam alta de 45,5% nos preços do café em pó nos supermercados de julho de 94 a maio último.

No mesmo período, o café solúvel subiu 62,7%, enquanto a inflação foi de 222,3%. A estrutura de custos das indústrias, no entanto, se modificou. Além da elevação da matéria-prima, a tributação também passou a pesar mais. A taxa de PIS/Cofins, que era de 2,6%, hoje está em 9,6%, diz ele.

Cítricos O fenômeno climático La Niña deve provocar estiagem no segundo semestre no Brasil, prejudicando a florada dos pomares. Para pesquisadores do Cepea, o tempo seco pode provocar a queda prematura de frutos da safra 2010/11.

Melhora Estudo do Departamento de Agricultura dos EUA indica que a produção de álcool de milho torna-se mais competitiva. Em 20 anos, a produtividade do milho aumentou 39%. Já a geração líquida de energia subiu 30% nessa década.

Ganhos O preço interno do milho teve ganho de 3% neste mês em relação a maio, mostra a consultoria Céleres. Apesar da alta, os preços deste mês são inferiores aos dos três anteriores.

Governo A alta no milho se deve à intervenção do governo no mercado por meio de leilões de PEP (Prêmio de Escoamento de Produto). Desde o final de maio foram escoados 2,2 milhões de toneladas do produto.

Troca A crise europeia saiu de foco e os problemas climáticos nos Estados Unidos começam a interferir mais nos preços da soja. Amanhã, o Usda divulga dados de área plantada e qualidade da safra.

Restrita A oferta de gado para abate está restrita em São Paulo, segundo o Instituto FNP. Com isso, os frigoríficos pagam R$ 81 por arroba. Pesquisa da Folha também aponta para esse valor.

 

Veja tambÉm: