Mercado

ENTREVISTA - André Santaella Cafeicultor deve adotar postura de vendas para aproveitar boa onda de preços

Café: comercialização deve se intensificar nas próximas semanas e produtores devem adotar postura de vendas para se beneficiar da boa onda de preços e do câmbio, que se mostra favorável ao mercado.

 

postado em 22/06/2010 | Há 7 anos

Notícias Agricolas

22/06/2010

A colheita desta safra brasileira de café já atinge os 20% nas principais regiões do Brasil. Do momento atual para as próximas semanas, portanto, a comercialização deve se intensificar. Mesmo com isso e com o histórico de ser uma temporada de maior pressão nos preços, o mercado do café trabalha de forma positiva, com uma valorização de US$30 no mercado futuro e os R$300 no físico.

Segundo o analista de mercado da Maximus Agentes de Investimentos, André Santaella, esse avanço das cotações são reflexo dos baixos volumes de café certificado em Nova York – 2,5 milhões de sacas – e isso acaba deixando a bolsa mais leve para as negociações.

Com isso, a orientação é que o produtor passe a assumir uma postura vendedora com o objetivo de conseguir se beneficiar dos bons preços e do câmbio, que atualmente está favorável.
As perspectivas para o clima são as melhores. O tempo segue bem firme, sem chuvas, sem grandes ocorrências de frio, construindo um cenário positivo para a produção de um grão de qualidade.

USDA

Segundo informações divulgadas pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a produção mundial de café para safra 2010/11 deverá ser de 139,7 milhões de toneladas.

A safra brasileira, segundo o departamento, será de 55,3 milhões de sacas, sendo 41,8 milhões da variedade arábica.

Ainda de acordo com o USDA, a Colômbia produzirá cerca de 9 milhões de sacas e o Vietnã 18,7 milhões.

Para o consumo, a previsão é de 131,5 milhões de sacas de café e o Brasil e a nião Europeia devem ser os responsáveis pela produção de mais da metade do total.

Já para as exportações, o Departamento de Agricultura dos EUA prevê cerca de 103,4 milhões de sacas, sendo brasileiras 32 milhões de sacas. 

Fonte: Redação NA

 

Veja tambÉm: