Consumo

Tudo (menos o café) é ‘made in’ Portugal

No mercado do café de cápsulas, a Delta investiu numa selecção nacional: a máquina Qosmo é feita pela Flama e as cápsulas saem da Logoplaste. Só mesmo o café vem de fora.

 

postado em 30/05/2010 | Há 7 anos

Tecnologia

Sara Piteira Mota  
29/05/10 

Quem entrar hoje numa cozinha, dá de caras com um festival de electrodomésticos de formas arredondadas e cores berrantes que marcaram uma viragem no mercado de consumo nos anos 50. Aliás, foi tão marcante que voltou a estar na moda. A gama ‘look\' 50 é já um ícone, um objecto de culto. Melhor, é um estilo de vida. E, dentro das peças mais simbólicas, há uma que se começa a destacar em cima da bancada: a máquina de café, que está a trocar os filtros e borras por equipamentos ‘clean\' e ‘user frendly\' com as inovadoras cápsulas.

Nespresso, Delta Cafés, Dolce Gusto e Lavazza são algumas das marcas que disputam a corrida para entrar nas casas dos consumidores e que, com eles, trouxeram uma mudança nos hábitos de consumo de café. O sistema é idêntico em todas: coloca-se uma cápsula com café numa máquina de ‘design\' minimalista e tira-se um ‘expresso\'.

Mas, entre todas as marcas, há uma que se destaca por ser 100% portuguesa: a Qosmo, máquina de café vendida pela empresa Delta. \"Todas as empresas envolvidas no ‘design\', concepção e produção da máquina são portuguesas\", diz Rui Nabeiro, administrador da Delta Cafés. O desafio do desenho da máquina (interno e externo) foi aceite pela DivergeDesign, parceira em vários projectos da Delta, e a sua produção ficou a cargo da fabricante de electrodomésticos Flama, que já tinha produzido outras máquinas da gama Delta Q.

As pequenas Qosmos - nome escolhido para baptizar as máquinas - são produzidas na fábrica da Flama, no norte do país, em Santa Maria da Feira. Mas a inovação não se fica por aqui: também as cápsulas de café são ‘made in\' Portugal. O plástico é fabricado pela Logoplaste e as embalagens depois são fechadas na fábrica da Delta com o café da marca e uma película própria.

O processo de desenvolvimento da máquina da Delta demorou dois anos até chegar à versão final. \"Coube à equipa da Diverge compreender e dar vida às necessidades e desejos da Delta e em adaptar às questões de produção indicadas e aconselhadas pela fabricante Flama2, diz o responsável. Apesar de não revelar o investimento efectuado no desenvolvimento deste projecto, Rui Miguel Nabeiro explica que \"qualquer novo lançamento implica esforço financeiro, e a Delta apostou forte nesta máquina que já se revelou uma das mais vendidas do nosso portefólio.\"

A Delta tem um departamento de Investigação e Desenvolvimento com técnicos dedicados a várias áreas e equipas constituídas consoante as valências necessárias. \"Não existe um orçamento fixo. Mas, quando a Delta acredita numa ideia, investe o necessário na sua concretização.\" Foi o caso da Qosmo, é o caso de outras máquinas que estão a ser testadas. Outra das inovações foram as cápsulas de chá. \"O desenvolvimento da cápsula foi feito pela Delta, envolvendo o nosso parceiro sul-africano, a RedEspresso\", diz Rui Nabeiro.

Concorrentes de peso

Portugal é um ‘case study\' de sucesso para a Nespresso. A empresa de café ‘gourmet\' do grupo Nestlé, presente em 50 países, tem Portugal no ‘top 10\' em termos de facturação e alcançou rapidamente a preferência dos portugueses. \"Atingimos uma quota de mercado de quase 60% em valor em 2009, o que significa que mais do que uma em cada duas máquinas de café expresso em cápsulas vendida é uma máquina de café Nespresso\", disse fonte da empresa ao Diário Económico. A rápida ascensão a líder de segmento em Portugal não se justifica só por ter sido o primeiro ‘player\' a entrar no mercado de café por cápsulas, mas também porque a marca consegue mais rapidamente captar o gosto do consumidor ao vender apenas café nas suas próprias lojas e não nos supermercados.

Uma estratégia que também já foi adoptada pela Delta Cafés. A Lavazza, líder no mercado italiano e uma das principais empresas de torrefacção de café do mundo, entrou este ano no mercado português através da empresa NewCoffee, distribuidora de cafés exclusivamente para o canal Horeca (hotéis, restaurantes e cafés). Mas, quem quiser uma máquina desta marca, pode comprá-la através da Internet e encomendar as cápsulas através de um distribuidor no norte do País. Por Sara Piteira Mota

Directamente da Logoplaste

Também as cápsulas da Delta Cafés são portuguesas. O plástico é produzido pela Logoplaste e as pequenas embalagens fechadas na fábrica da Delta com o café e uma película própria. Em 2009, a Delta Cafés resolveu criar umas cápsulas de chá expresso.


Máquinas rivais

Dolce Gusto da Krups

A máquina de café expresso Dolce Gusto permite fazer, não só café, mas também - graças ao seu sistema de cápsulas Nescafé Dolce Gusto - bebidas de diversos sabores como ‘cappuccino\', ‘latte macchiato\' e ‘chococino\'. A altura ajustável para chávenas de tamanhos diferentes torna-a mais prática. Estas máquinas estão à venda nas principais cadeias de distribuição e em lojas de eletrodomésticos. PVP: € 112

X8 Iperespresso

É uma forma de fazer café, aliada ao nome e ‘design\' italiano de máquinas Francis Francis. Na máquina de café de cápsulas ‘illy italiana X8 Iperespresso\', é apenas necessário inserir a cápsula de café, e a máquina tratado resto. Também não é preciso remover a cápsula, apenas o depósito de cápsulas quando estiver cheio. Como o café não tem qualquer contacto com a máquina, a manutenção e limpeza dela é mínima. PVP: € 239

Nespresso Le Cube D185

A Le Clube foi uma das primeiras \"jóias\" da Nespresso no mundo das máquinas de café de cápsulas. A máquina tem um contentor para 12 cápsulas usadas, um aquecedor de chávenas lateral e um depósito de água de um litro. Tem placas laterais de aquecimento das chávenas, e a quantidade de café é programável. Além destas, a Nespresso disponibiliza ainda os modelos Latissima,Essenza e Citiz. PVP: € 229,9

Lavazza A Modo Mio

A máquina de café Lavazza A Modo Mio, fabricada em parceria com a Saeco, utiliza uma tecnologia de extracção de vanguarda que aproveita o café prensado na cápsula para conseguir um expresso cremoso. Graças ao tubo de vapor, também podem ser preparados ‘capuccinos\', chás e infusões. Saeco Premium funciona exclusivamente com as cápsulas Lavazza A Modo Mio. Permite ainda programar o volume de café na chávena. PVP: € 199

Gaggia illy Plus

Aqui aliaram-se as cápsulas Iperespresso illy à tecnologia de uma Gaggia. Esta máquina de café tem expulsão automática das cápsulas usadas, um reservatório de um litro de água e uma grelha adaptável em duas alturas à chávena de café. Além de preparar ‘expressos\', a máquina de café Gaggia illy Plus também faz ‘capuccinos\'. Pode memorizar o volume de água para cada café, de acordo com as preferências. PVP: € 145

 

 

Veja tambÉm: