Tecnologias

NOVO CAFÉ DO PARANÁ - Foco da pesquisa é a resistência a doenças

 

postado em 29/05/2010 | Há 7 anos

RURAL
29/05/2010 

Erika Zanon
Folha de Londrina
  
Pesquisas do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) buscam desenvolver variedades de café resistentes a doenças e pragas, além de aumentar o tamanho dos grãos. Segundo Armando Androcioli Filho, líder do programa de pesquisa de café do instituto, o objetivo é desenvolver grãos cada vez mais eficientes e que atendam a necessidade do produtor.

Atualmente, o Iapar tem no mercado quatro variedades do grão. A IPR 59, foi a primeira lançada em 1993, resistente à ferrugem, tem porte menor, que atende ao processo de adensamento. A IPR 98 tem ramificação menor e maturação ligeiramente mais tardia. O material IPR 103 também tem um ciclo mais longo, o que ajuda no escalonamento da colheita. Já o IPR 99 tem como característica o grão amarelinho. Conforme Androcioli, a variedade tem sido bem aceita pela excelente qualidade: sabor acentuado, aroma intenso e acidez agradável.

A colheita de todos esses materiais, segundo o pesquisador, pode ser mecanizada. A medida, para ele, é fundamental atualmente. \'\'Ou o produtor mecaniza ou não tem como operar no segmento\'\', reforça ele, lembrando do custo e da falta de mão de obra no segmento. E a região do Norte Pioneiro do Estado, acrescenta Androcioli, tem excelentes características para a produção de café de boa qualidade, como topografia, clima e solo. (E.Z.)

 

Veja tambÉm: