Mercado

CAFÉ: QUEDA EM NOVA YORK ESVAZIA MERCADO FISICO

 

postado em 28/01/2010 | Há 8 anos

SAFRAS (27)  O mercado físico parou nesta quarta-feira. A queda vertiginosa dos preços futuros em Nova York afugentou os vendedores. Nem mesmo a expressiva valorização do dólar comercial compensou o recuo no referencial nova-iorquino. Nominalmente, os preços se enfraqueceram no mercado físico brasileiro, com exceção do conillon no Espírito Santo, que seguiu estável.

No sul de Minas Gerais, o café arábica bebida boa esteve cotado entre R$ 278,00 a 280,00 a saca. No cerrado mineiro, café bebida boa esteve com preço de R$ 280,00 a R$ 285,00 a saca. O café rio tipo 7 na Zona da Mata de Minas Gerais teve cotação de R$ 200,00. Já o conillon tipo 7 em Vitória, Espírito Santo, foi cotado a R$ 166,00 por saca, estável.
 
Nova York
 
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações da quarta-feira com preços acentuadamente mais baixos, tocando nos piores patamares das últimas 10 semanas. Vendas de fundos e especuladores engatilhadas pela forte alta do dólar na comparação com outras divisas derrubaram as commodities em geral nesta sessão, e o café não escapou. 

Apesar do aperto na oferta no mercado físico de café, os fatores externos têm guiado o rumo dos preços futuros. As preocupações econômicas têm gerado aversão ao risco, fazendo os fundos de investimento liquidarem posições compradas em commodities. Mas, agora as análises gráficas apontam que o café arábica está sobrevendido em Nova York, o que poderá gerar uma correção altista, fazendo os preços retornarem aos patamares ao redor de 140 centavos de dólar por libra-peso. As informações partem de agências internacionais de notícias.

Os contratos com entrega em março fecharam negociados a 133,55 centavos de dólar por libra-peso, com desvalorização de 4,70 cents. A posição maio de 2010 fechou a 135,45 centavos, com perda de 4,65 cents/lb. 
 
Câmbio
 
O dólar comercial fechou cotado a R$ 1,8570 na compra e R$ 1,8590 na venda, alta de 1,25% em comparação com último fechamento. (FR)
 

Veja tambÉm: