Produção

Minc diz a deputados que agricultura tem sido solução para preservação do meio ambiente

 

postado em 24/11/2009 | Há 8 anos

24 de Novembro de 2009  

Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou hoje (24) que sua área tem cada vez mais concordâncias com a agricultura, que, segundo ele, tem se tornado também uma solução para a preservação do meio ambiente e a redução das emissões de gases de efeito estufa.

Ao participar de audiência pública da comissão especial que discute as propostas dos novos códigos Ambiental e Florestal brasileiros, Minc disse que, para que os agricultores possam se adequar à legislação ambiental, será criado o programa Mais Ambiente. Ele informou que o acordo que possibilitará a implantação do programa já foi feito com os ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário.

Diferentemente dos encontros entre Minc e representantes dos produtores rurais, geralmente marcados por polêmicas e confrontos verbais, na audiência desta tarde, alguns deputados elogiaram a postura do ministro e disseram que, das quase 50 audiências em que ele esteve presente no Congresso, desde que assumiu a pasta do Meio Ambiente, esta foi a que registrou mais pontos de consenso entre as duas partes.

Para o relator da comissão especial, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), no entanto, a situação no campo é menos tranquila do que afirma o ministro Carlos Minc. Na audiência, Rebelo disse ao ministro que ele e membros da comissão visitaram os estados de Mato Grosso, de Rondônia e do Pará e encontraram no campo uma “população aterrorizada”.

“O que vi me deixou chocado, estarrecido. O que encontrei foi uma população intimidada, aterrorizada, como se fossem refugiados políticos em seu próprio pais. Em Mato grosso, vimos 1.200 famílias de assentados do Incra [Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária] que estão sem poder receber crédito porque dez das 1.200 propriedades foram multadas”, relatou o deputado. De acordo com Rebelo, nesses estados, os produtores temem as restrições impostas pela legislação ambiental, que dificultam o acesso deles ao crédito

Rebelo disse que a falta acesso a informações por parte dos produtores rurais de algumas regiões do país aumenta a sensação de medo. Ele falou também sobre a situação de alguns produtores da Amazônia que, durante a ditadura militar, foram obrigados a desmatar pelo menos 50% das terras para receber o título de propriedade. Para Rebelo, a consciência ambiental em estados como Mato Grosso, Rondônia e Pará, ainda assim, é maior do que a vista em outros estados.

“Parece que os órgãos do governo marcaram com ferro em brasa esses estados, que são mais preservados do que os estados da maioria dos presentes aqui e onde não vi a consciência ambiental que vi nesses lugares”, comentou Rebelo.

 

Veja tambÉm: