Comércio

Honduras: crise política não afetará exportação de café

 

postado em 28/09/2009 | Há 8 anos

CNC

28/09/2009

As exportações de café de Honduras não serão afetadas pela pior crise política, em décadas, pela qual o país vem passando, porque a colheita de 2008/09 está praticamente terminada, disse o presidente do Fundo Nacional de Café, Samuel Reyes, na terça-feira, 22.
 
O presidente expulso de Honduras, Manuel Zelaya, que foi derrubado por um golpe em junho, colocou fim a quase três meses de exílio se infiltrando em Honduras na segunda-feira e se refugiando na Embaixada Brasileira.
 
Honduras, o segundo maior produtor de café da América Central, depois da Guatemala, fechará seu ciclo de produção de café no final de setembro e quase todos os grãos já foram enviados, disse Reyes. "A situação política do país não está afetando o setor de café".
 
Honduras poderá exportar até 3,53 milhões de sacas de 60 quilos na safra de 2009/10, 9,6% a mais que no mesmo período do ano anterior por conta de investimentos que os cafeicultores vêm fazendo nas lavouras, disse o Instituto Nacional de Café do país.
 
A safra de 2009/10 começa em outubro, mas o maior volume de colheita será entre dezembro e março, disse Reyes. Somente 5% a 10% da colheita serão feitas durante os próximos dois meses, quando as tensões estarão altas com a aproximação das eleições presidenciais de novembro.
 
As forças de segurança de Honduras têm confrontado manifestantes que apoiam Zelaya, o que tem esporadicamente levado a fechamentos de rodovias no interior, complicando o transporte. O horário de recolher imposto pelo Governo atual fechou a fronteira com El Salvador para cargas comerciais e veículos privados na terça-feira.
 
A reportagem é da Reuters. Traduzida e adaptada pela Equipe CaféPoint.

 

Veja tambÉm: