Mercado

Apagão de fertilizantes pode causar aumento no preço

 

postado em 23/09/2009 | Há 8 anos

23/09/2009 - A Embrapa Solos (centro de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, situado no Rio de Janeiro) recebe no dia 25 (sexta), as 14h, algumas das maiores autoridades brasileiras e internacionais em fertilizantes para o painel Fertilizantes e Produção de Alimentos no Mundo. Estarão presentes profissionais da Petrobras, Fosfertil e Instituto Internacional do Potássio (IPI-Suíça), além da própria Embrapa. O evento vai debater um possível apagão de fertilizantes nas próximas décadas, o que colocaria a agricultura brasileira em cheque.

Esse assunto é pouco debatido no meio urbano, mas a possibilidade de aumento no preço dos alimentos, quando o apagão vier,não pode mais ser ignorada. Medidas para reverter esse quadro foram tomadas pela Embrapa a fim de identificar fontes alternativas de nutrientes para a agricultura brasileira, com a criação da Rede FertBrasil, iniciativa da estatal de pesquisa agropecuária com diversas instituições de pesquisa e empresas do setor privado. No ranking mundial de produção de fertilizantes, o Brasil ocupa o 4o lugar, contudo essa produção não é suficiente para atender a demanda interna e o País é fortemente dependente da importação desses insumos. Em 2008, o Brasil importou mais de 15 milhões de toneladas de fertilizantes, sendo que só de potássio, o Brasil importa mais de 90% do que necessita para suas lavouras.

Essa tendência deverá se intensificar com a expansão da agroenergia, notadamente com a expansão da cana-de-açúcar e as espécies oleaginosas. Para concretizarmos a idéia de desmatamento zero, recuperando áreas de pastagens degradadas tornando-as áreas produtoras de alimentos, precisamos de grandes quantidades de fertilizantes para restaurar os níveis de fertilidade desses solos.

Em outras palavras, a conta brasileira de fertilizantes não fecha. O governo quer aumentar a produção de fertilizantes no país como um instrumento para conter a alta no preço dos alimentos. A redução da dependência nessa área foi recomendada pelo presidente Lula. Na safra 2008/09 os fertilizantes tiveram reajustes superiores a 100%, tornando-se um dos principais fatores de pressão inflacionária no setor.

A intenção do governo é reverter o quadro de dependência externa, reduzindo de 75% para 25% do consumo a importação desse tipo de produto. Vale lembrar que o crescimento no consumo de fertilizantes no País é de 4,0% ao ano.  As informações partem da Agência de Notícias do Café / Café e Mercado.

 

Veja tambÉm: