Estatísticas

Colheita do café conilon chega a 70% preços caem

 

postado em 27/06/2009 | Há 8 anos

Globo Rural / Agência Safras

Lessandro Carvalho

A colheita de café conilon no Espírito Santo está em torno de 70%. Já os trabalhos com o arábica estão em 25% a 30%. No geral, na média, a colheita está em cerca de 60%. A avaliação parte de Marcus Magalhães, da Maros Corretora. O clima está sendo favorável à evolução dos trabalhos, segundo Magalhães, sem chuvas.

Quanto à comercialização, o mercado no Espírito Santo segue muito fraco de negócios. Os preços considerados baixos afastam os produtores das negociações. O café conilon tipo 7, em Vitória, segundo Marcus, está em R$ 175,00/sc. Já o arábica Rio, tipo 7, tem cotação de R$ 200,00/sc. Para Magalhães, da safra nova, Magalhães estima que as vendas feitas de conilon devem chegar a 20-25% do total a ser colhido, enquanto apenas 10% do arábica colhido foi negociado.

O clima prejudicou parte da safra, mas o que realmente preocupa os produtores é a queda no preço. O agricultor Giovani Sossai encerrou a panha do café em sua propriedade de 35 hectares plantados, onde a queda na produção foi de 15%. "Devido aos veranicos que passamos em 2007 e 2008, não tivemos um crescimento de rama das plantas. Na realidade, houve uma quebra nas roças mais velhas e um aumento nas roças mais novas. Como as roças mais novas são áreas menores, não supriram a queda das áreas mais velhas", disse.

Mas não é só o agricultor com queda na safra que passa por dificuldades. Em uma das propriedades de Jaguaré, a produção aumentou 50% em relação ao ano passado. Mesmo assim, o produtor não comemora grandes lucros. São 400 hectares de área em produção, o que deve gerar 20 mil sacas. Noventa por cento dos grãos já foram colhidos e beneficiados. Mas a expectativa de venda é desanimadora.

"Hoje, a gente está trabalhando com o conilon na faixa de R$ 165/sc. A gente chegou a trabalhar no início do ano até a R$ 220. Se o preço continuar do jeito que está, terá que ser um ano de cautela para o produtor de café", disse o agricultor Pablo Altoé.

 

Veja tambÉm: